Um blog de crônicas da Barelândia para o mundo!

BTemplates.com

quinta-feira, 16 de abril de 2015

A terceirização da literatura anti Petralha

A literatura anti Petralha anda pagando o uísque e as “cabritas” de muito “jornalista” de pena de aluguel mais baratas que as putas do Rêmulo’s da gloriosa Barelândia.
É um negócio muito lucrativo em qualquer lugar do mundo fazer a vontade do chefe, de quem manda, de quem controla a produção, a grana e a outra ponta da coleira.
É assim no Brasil e é assim na China.
No Brasil, dá dinheiro e vantagens ser contra o partido que está no poder, em tese, porque o PT sempre vai ser um partido da classe trabalhadora, dos pobres, oprimidos e dos excluídos e portanto, inimigo da elite tupiniquim.
Essa elite controla a grande mídia e essa grande mídia paga a peso de ouro o uísque dos “jornalistas” e “colunistas” que adoram uísque e cabritas.
Alguns até acreditam e torcem que o PT esteja em estado terminal devido ao ataque desesperado que sofre da Rede Globo/PSDB e de um judiciário criminoso praticado no Brasil por juízes comprometidos como o Juiz Moro, que só processa e prende petista e livra a cara dos tucanos.
Hoje, ás 16h desta quinta-feira (16), a hashtag#ExplicaMoroPorqueSoPT estava no topo do Trend Topic deixando claro que a internet não deixa esse tipo de juiz corrupto prosperar sem troco.
Todas as penas de aluguel que vendem a sua consciência em troca de uísque e cabritas, embora alguns até prefiram cabritos, perderam a dignidade e qualquer resquício de credibilidade que possam ter como alguém que escreve e precisa da escrita para sobreviver.
Venderam muito barato sua profissão porque consciência, essa é defunta há anos. E para justificar seu estado terminal tem que se agarrar na crença que o PT é uma quadrilha de bandidos e quem paga seu uísque e suas cabritas é tudo santo.
E no meio disso tudo está o Coxinha, uma pobre alma burra que não alcança o telhado onde rola essa sujeirada toda.
E se acha!
Share:

terça-feira, 24 de março de 2015

A campanha contra as véias lésbicas

Detesto o que a Rede Globo faz com a política, a musica, o teatro e o cinema brasileiro. O monopólio cultural e político de um país do tamanho e da diversidade do Brasil, por uma só famiglia Marinho, transformou o país que criou a Bossa-Nova, país do Tom Jobim, ser entregue ao Lepo Lepo de todo ano graças a gravadora Som Livre da Rede Globo que acredita que povo que ouve Lepo Lepo é mais fácil de empurrar o Aécio.
Posso isso sou da turma do Chico Buarque.
Vi uma campanha contra a novela da Rede Globo chamada Babilônia e fiquei curioso. Tudo que for para destruir a Rede Globo me interessa.
A novela tem duas personagens que são assassinas, piranhas, golpistas e o escambau e a patuleia reacionária que adora linchamentos faz campanha contra duas senhoras adoráveis, meigas, amorosas, de classe, com elogiáveis valores morais, que são casadas há anos e principalmente, se amam.
Não se sabe se o preconceito é porque são lésbicas ou porque são véias lésbicas ou tudo junto.
Vi que essa campanha é puxada pela turma do Feliciano e do Malafaia, como sempre.
Pessoas que se dizem cristãs que devem ter esquecido o amor de Cristo em algum canto perdido das suas mentes doentias.
Sim, porque só uma mente doentia prefere fazer campanha contra pessoas que se amam tendo na mesma novela duas personagens que mais se parecem com o Capeta.
Acho que de tanto só falar em Capeta que esses evangélicos hipócritas dos caraleo se esqueceram de Deus.
Viraram devotos do Capeta.
Só pode!
Share:

terça-feira, 10 de março de 2015

Vai pra Cuba, Coxinha!

Esses pessoal que não aceita perder eleição deveria aprender a ser civilizado uma vez na vida.
Deveriam aprender a perder com a gloriosa e honrada torcida do Vasco que só se fode nessa porra, mas nem por isso fica tentando eliminar o Flamengo, o campeonato ou até o futebol a cada partida perdida.
Esse tipo de pensamento chulo de perdedor cafona é incentivado pela mídia que em pais cafona é controlada por duas ou três famiglias mafiosas que herdaram de generais torturadores das ditaduras recentes seus impérios midiáticos. É assim do México para baixo, até a pontinha da Patagônia.
Essa mídia forma um bando de classe media que vai pensando que nem rico e vai tomando ódio de trabalhador e se identificando com as elites e seus hábitos de ir para Nova York fazer compras e odeia ver o porteiro do prédio em que mora no mesmo avião indo para Nova York fazer compras também.
Esquece que até ontem era ela o porteiro do prédio.
Essas gente cafona quando perde a eleição porque votou no candidato cúmplice das famiglias mafiosas midiáticas, quer acabar com a democracia pedindo impeachment de uma presidente eleita pela classe trabalhadora do país, apesar da pressão das famiglias mafiosas midiáticas.
Esse lance de não respeitar a democracia e voto alheio é tipico de republica cucaracha bolivariana desses comunistas vermelhos tucanalhas que não sabem perder e ficam com saudade do Stalin.
Porque essa gente não se muda para Cuba?
Lá não tem voto.
Né não?
Share:

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

O recomeço do Terrorismo Midiático na Quarta de Cinzas

Durante o carnaval bem que a Rede Globo tentou colar nas reportagens que fez, algum sinal de hecatombe no qual o Brasil se encontra, de acordo com sua visão depois que perdeu as eleições para 53 milhões de brasileiros que ainda tem a porra do direito a voto.
De acordo com alguns dos seus colunistas, um bando de nordestinos ignorantes cabeças chatas dos infernos.
No carnaval, de norte a sul do Brasil, do Aiapoque ao Chui, passando pelas belas paisagens nordestinas, o que se viu foi o povo metendo o pé na jaca se divertindo no carnaval e gastando felicidade na sua festa mais popular.
Para um gringo que vem de fora e vê o que a grande imprensa diz e vai as ruas, vai achar que essa grande imprensa está falando de outro país.
E está.
A Rede Globo cria desgraça todo santo dia tentando transformar o Brasil no que ela deseja, um país ferrado que não dá certo por causa dos Malditos Petralhas e que só vai funcionar quando os maravilhosos doutores da elite paulistana tucana voltarem a por ordem nessa porra.
Vendo o índice da economia feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) um antro do neoliberalismos alinhado com a ideologia Rede Globo-PSDB, diga-se de passagem, em cinquenta anos de medição econômica realizada a cada janeiro, nunca o Brasil teve um salário minimo com um poder de compra tão alto e um índice de desemprego na taxa de 6,5%, taxa igual a do EUA e muito menor que a taxa da Espanha, França, Portugal e Inglaterra que estão acima dos dois dígitos. A da Espanha estava em 25%.
Portanto, o Brasil pobre coitado, da desgraça, da desonra, só existe nos jornalões da Rede Globo que reza que a gente se ferre para aprender a votar no candidato dela.
Chegou a Quarta de Cinzas tão esperada e o sangue vai correr solto pelas veias da televisão.
Pode reparar.
Share:

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Quaresma e Carnaval, nada igual

Quem já passou por dezenas de carnaval começa a não ver diferença entre Carnaval e Quaresma.
Tem gente assim como eu que viveu como se a vida fosse um eterno Carnaval. Tinha até uma biba amiga minha que me chamava de Jet Carnaval (Abreviatura de Jorgete Carnaval), acho eu.
Ainda hoje, apesar de ranzinza e chato pacas, ainda passo parte da vida vendo a vida como um grande Carnaval desperdiçado. Não consigo deixar a minha Quaresma entrar e reinar plenamente.
Vivo fantasiado e fantasiando e esse é meu eterno Carnaval dentro da minha existência Quaresma.
Nada na vida é tão Carnaval e muito menos tão Quaresma assim.
Esse café com leite existencial, essa mornice toda, pode até parecer ganho, mas é só sequela do tempo.
Viver com intensidade fenomenal, exageradamente, apaixonadamente, beber no gargalo, fumar até a baga, chupar até o caroço, isso tudo ainda me parece a melhor forma de passar a vida.
E olha que eu já bati pesado nessa porra e já enterrei uns e outros.
Mas a Quaresma da minha vida chegou e somente por poucos dias da minha existência nem tão medíocre assim, ela vira Carnaval.
“A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer”, diz o poeta neoconcreto Arnaldo Antunes.
Seja feliz com o seu nariz.
Então é isso!
Share:

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Quando o Pau de Cana sai de Pau de Selfie

Raimundinho saiu afim de aprontar no carnaval. Ouviu falar de uma "Banda do Pau de Selfie" e como tinha comprando um, achou que seria legal ir se enxerir por lá.
Suspendeu seu remédio para pressão alta, tomou um Engov e se dirigiu ao Bar do Waldemar disposto a forrar o estômago e beber todas e mais umas dez.
Pediu um pacú assado e uma Brahma.
Depois duas, depois, três e assim foi.
Lá pelas tantas da tarde, já meio pau meio cacete, rumou para a tal de banda, armado do seu Pau de Selfie em uma mão e uma garrafa de run Montilla na outra.
Quem via a cena de fora tinha a convicção que aquilo ia dar merda.
Na chegada já foi encoxando e sendo encoxado pela multidão encachaçada.
Toda mulher que grudava nele, ele empinava o Pau de Selfie e mandava ver na fotinha com uma mão e com a outra atracava a polpa da bunda da bêbada desavisada.
Estava em uma alegria só, se achando.
E haja beber Montilla com Coca-Cola.
A última fotinha que ele lembra de ter tirado foi com uma gata alta de voz grossa.
Ele só lembra que quando foi pegar na polpa da bunda da gata com a mão boba, sentiu a cabeça de um croquete escondido por trás da calcinha.
Como no carnaval tudo é alegria, dá-lhe WathsApp.
Quando acordou no outro dia, estava fantasiado de ondekeutô, uma entidade xamanica que baixa em bebuns no carnaval.
Por não saber onde estava e nem como foi parar naquele quarto de motel barato, pensou em ligar para um amigo que o tirasse daquela situação bizarra, quando percebeu que estava sem celular, sem Pau de Selfie e sem carteira.
Desceu até a recepção do hotel e viu que estava na Joaquim Nabuco, no centro da Barelândia. Se dirigiu ao recepcionista e explicou a situação. Lavou uns 200 pratos e conseguiu uma grana para o busão.
A cada sacolejo da porra do ônibus velho nas ruas esburacadas era um “uuiii” que ele dava.
Ficou pensando que nada tinha saído como ele planejava e talvez fosse passar a Quaresma inteira sem poder sentar direito.
E as fotos no WathsApp?
Ainda tinha essa, parente!
Share:

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Raquete Assassina ultrapassa Pau de Selfie

Não adianta, pão de pobre e de barezinho sempre cai com a manteiga de boca na areia.
Pode reparar.
Mal começou o enxerimento de andar com Pau de Selfie para lá e para cá só para se apresentar, o barezinho já tem que gastar mais grana para poder se dar bem na foto.
Se o barezinho for para um xopis qualquer da cidade só com o Pau de Selfie, ele vai ter que usar só com uma mão, porque a outra tem que guardar para espancar carapanã fela da puta que todo ano vem com as chuvas pesadas do inverno amazônico.
Não tem bom, todo canto da cidade está lotado da porra do carapanã picando e enchendo o saco.
Enchendo o saco só não, enchendo a boca, os ouvidos, o nariz, os ovos e se vacilar entra pelo buraco que o candiru ama de paixão.
A invenção da Raquete Assassina ultrapassou o Pau de Selfie como a Oitava Maravilha da Humanidade.
Quer ver pergunta para um barezinho.
Share:

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

A felicidade de caminhar cantando ouvindo songs no headphone

A vantagem de perder o medo de parecer ridículo é que essa é a única forma de ser realmente feliz.
Não dar a mínima para o que pensam os outros é o que nos faz feliz.
Para quem já avançou no tempo e virou tiozinho depois de ter vivido a geração roqueinrol, ter virado os anos setenta e oitenta, ter amanhecido em todo pôr do sol, ter tomado todas em todas as esquinas, sobreviver à toda experiência química que certamente matariam um cavalo, posso dizer do alto da minha esplendorosa sobrevivência “Eu posso cantar um rock ou um samba bem alto como meu headphone caminhando ao sol da Barelândia”.
Eu já enterrei muito neguinho de overdose e portanto posso me dar ao luxo de falar sozinho e cantar bem alto, caminhar, ouvir música e ser feliz.
O problema de falar sozinho é quando alguém começa a responder as suas perguntas.
Ae fio, vá procurar um psiquiatra que a coisa está feia.
Né não?
Share:

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Pau de Selfie foi proibido na Boca do Lago do Arapapá

O afamado Pau de Selfie agora virou alvo da censura antiterrorismo que assola a humanidade humana.
O outrora pacato e inofensivo Pau de Selfie agora é visto como um arma mortal.
Está proibido a entrada de qualquer cidadão portando essa arma mortal na Arena da Amazônia.
Se no jogo de hoje pelo Campeonato de Lanternas da Boca do Lago do Arapapá, o glorioso Flamengo der uma outra tundra no lombo do glorioso Vasco e a torcida Urubu começar a chamar de freguês, a coisa vai feder. Veríamos vascaínos fregueses enfurecidos partindo para cima dos Urubus armados até os dentes com Pau de Selfie na mão babando de ódio.
Só acho o seguinte: Melhor o Pau de Selfie na mão do que a cadeira superfaturada da Arena da Amazônia.
Só acho!
Share:

Chuva é ar que dá para pegar

A chuva causa sensações diversas em quem ainda muda quando é lua cheia.
Quando a estação das chuvas invade a ainda selvagem Barelândia, chega junto com ela um torpor que aplaina a entrada da Leseira Baré no nosso intimo preguiçoso.
Essa Leseira Baré atrasa todos os compromissos de trabalho.
Basta uma chuva torrencial porrada amazônica cair para eu parar de trabalhar e ficar ouvindo os sons dela.
Tem barezinho besta que trocaria chuva por neve. Eu nunca vi neve, por isso não trocaria a bendita chuva por nada.
Ser ateu tem suas vantagens.
A gente pode acreditar em grandes pensadores que são como deuses vivos que nem no xintoísmo japonês e assim experimentar a sensação de crença no mistério e no invisível ou simplesmente olhar uma chuva torrencial na Barelândia e ver que chuva é somente ar que se pode pegar.
E se para um ateu tudo é sagrado, nada mais sagrado que a chuva que é ar que você pode pegar.
E se tudo é sagrado e portanto tudo é Deus, quando pego na chuva, pego em Deus.
Melhor eu voltar a trabalhar se não essa Leseira Baré me leva de volta para o SERASA.
Share:

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O assassinato de São Sebastião, O Gato

São Sebastião era um soldado romano, um gatão sarado e fardado que hoje é representado em uma arvore todo espetado de flechas em uma pose meio que de ladinho com seu corpo escultural à mostra.
Por isso as bibas são tão devotas de São Sebastião e acompanham suas velhas tias a igreja sempre que podem. Só para suspirar por Sabazinho, O Gato.
Na história mitológica do santo, ele era um imigrante que chegou a Roma nas migrações vindas do Mar Mediterrâneo que se alistou no exército romano por volta de 283 D.C. Por seu porte atlético e dedicação, caiu nas graças do imperador Diocleciano que o pegou para sua guarda pessoal, a Guarda Pretoriana, e de noite servia também de peguete para os hábitos mais que avançados das bibas imperadoras romanas.
Por causa do seu tratamento gentil com os prisioneiros cristãos, o Diocleciano, Didi para os íntimos, ficou possuído de ciúmes e o condenou por traição a causa e ordenou sua execução sumária por flechadas e que seu corpo fosse atirado no rio. Ele foi atirado ainda vivo e foi encontrado e socorrido por uma tal de Irene que virou Santa Irene.
Sabazinho, depois de curado, atacado pela injustiça de Didi, foi até o palácio do imperador tomar satisfações, mas já tinha outro em seu lugar e Didi ordenou novamente sua execução, agora por porrada mesmo. Seu corpo foi jogado nos esgotos de Roma.
Seu corpo foi encontrado por uma tal de Luciana que o limpou e enterrou nas catacumbas cristãs. Luciana virou Santa Luciana.
O corpo de São Sebastião sempre foi alvo de desejo até hoje.
Se o barezinho for hoje no Bar do Armando ver a procissão no Largo São Sebastião, vai ver uma romaria de bibas com suas tias rezando alto em louvor ao santo.
Pode reparar!
Share:

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Je suis leso

A Leseira Baré pode parecer um estado de demência, mas definitivamente não é.
Quando a gente que é barezinho a dar com pau fica viajando na maionese, distraído e abstraído das coisas do mundo, na verdade estamos em um estado de suspensão mental difícil de atingir por culturas ocidentais acostumadas a pensar e logo existir e só existindo se pensar.
Para a nação barezinha, pensar cansa e é coisa de leso. A gente segue na intuição, no instinto animal que dá mais certo.
Pode reparar barezinho no transito.
Ele vai para lá e para cá atravessando as faixas de sinalização que nem canoa no banzeiro e o mais incrível é que acontece menos acidentes do que deveria acontecer. Vai ver porque todos também dirigem se encaixando na maresia da outra canoa. Se uma vem de quina para cá, a outra vai de banda para lá e vice-versa, e no fim acaba que dá certo.
Tem uns pessoal que fica falando não sei o que não sei o que lá que barezinho sofre de Leseira Baré, por pura inveja, como se Leseira Baré fosse doença mental.
Esse pessoal faz yoga a vida inteira pagando uma grana preta para atingir o estado de suspensão mental que a gente tem a toda hora porque a gente nasceu com isso.
Basta chover que a gente para tudo só para olhar a chuva distraído e sem pensar em nada como se mundo tivesse parado e nada mais importasse, a não ser chuva.
Viva a bendita Leseira Baré!
Share:

sábado, 10 de janeiro de 2015

Lumbersexual Baré também é gente

Moda pega que nem piolho em escola de criança, que nem chato em puteiro.
Todo dia tem uma nova onda que envolve os frequentadores de xopis e os torna parecidos com um bando de pinguins em cima de geleira na Antártida.
Pode reparar.
Quando a moda oncinha passar, a gente vai sentir um grande vazio no coração de tanto que estamos acostumados a ver da criancinha no carrinho de bebe a vovozinha da Taubaté, todas vestindo oncinha.
A meses atrás era a calça listada que fazia gorda parecer bem mais gorda.
Agora que até os pagodeiros e jogadores de futebol aderiram ao Metrossexual, vem uma biba não sei o que não sei o que lá e lança outra moda.
Espia.
Agora o chic é ser lumbersexual, disque.
Lumbersexual é igual a Metrossexual, só que o contrário: enquanto os “Metros” são super vaidosos e procuram uma imagem impecável, isenta de pelos, extremamente alinhada e simétrica, os “Lamber” são mais casuais, largados e naturais, adotando cabelos compridos e bagunçados, barbas por fazer e pelos - muitos pelos.
Apesar de parecer uma novidade, esta nova tendência de comportamento masculino, identificada pela mídia internacional, tem como inspiração a caricatura de uma profissão centenária: a dos lenhadores. Daí o nome, nascido de uma junção entre as palavras “lumberjack” (lenhador) e “sexual”.
São, portanto, além da barba – maior símbolo da trend - peças como camisas de flanela xadrez, gorro de malha, calça larga, botas e tatuagens que compõem o look Lumbersexual.
O problema é que na Barelândia quente e úmida para chuchu, o barezinho vai entender o Lumbersexual como lamber sexual ou o raio que os partam.
Da lambida para liberar o brioco é só uma cabecinha.
Vai ser que nem na década de 70 quando rolou pelas mídias que o Mick Jagger liberava o rabiocó e aqui na pacata e paradisíaca Barelândia, o roqueiro começou a esquentar o quibe alheio para se inserir. Depois que descobriu dez anos depois que era fofoca de revista lesa, a bagaça já estava tão folote que nem adiantava mais casar ter filhos e tentar levar uma vida hetera.
Lumbersexual na Barelândia vai virar outra coisa.
Quer ver espia só!
Share:

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Baranga é baranga

Estamos adentrando 2015 na Marquês de Sapucaí e a esculhambação continua deslavada.
Espia isso.
A Miriam Leitão, aquele oceano de belezura, chamou a Dilma de baranga deselegante por causa do modelito de cor nude usado na posse presidencial.
Eu sequer sabia que tinha essa cor.
Baitola arquiteto e arrumador de casa alheia vive mudando o nome das coisas e das cores e a gente que não dá o rabiocó que tem que se virar nos trinta para não falar merda em conversa de bar.
A formosa Miriam Leitão pela manhã no Mau Dia Brasil é a cara do programa. Toca terror no povo brasileiro dizendo que o Brasil dos Petralhas é o Haiti e que só vai melhorar quando os colegas dela do PSDB voltarem.
A peruca dela pela manhã é um colosso.
Que a Dilma é baranga isso está posto, apesar de ser uma senhora de 64 anos e não ter mais a obrigação de ser gata.
Já a Miriam Leitão é feia de nascença mesmo. Nunca deu um caldo.
O ano começando e a gente tendo que conviver com um comentário desses.
Ver a Rede Globo e seus colunistas e jornais defendendo os tucanos e guisando os Petralhas sendo uma empresa corrupta que sonega impostos, já faz parte do folclore da grande imprensa nojenta que temos, mas ver gente feia atacar a feiura alheia, é foda!
Assim não dá!
Share:
Tecnologia do Blogger.

OCUPE REDE GLOBO

Loading...

Pesquisar este blog

Veja meu site profissional

Veja meu site profissional
Jorge Laborda é um cara metido a designer, escritor e a ser humano.

Blogs que vale conferir

Arquivo do blog

Definition List

Contact

Support