Um blog de crônicas da Barelândia para o mundo!

BTemplates.com

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Lula ou Wallace Souza?


Estão querendo mudar o nome do viaduto da ex Avenida Recife aqui perto de casa para Presidente Lula. Acho isso um absurdo. O Lula não foi político de Manaus e o Wallace Souza sim. Agora vai ser um tal de por nomes de avenidas, praças, viadutos, escolas, tudo com nome de Presidente Lula. Até a Lady Gaga é fã do Lula. Pode!? Mudaram o nome do Poço de Tupi, do pré-sal, para Poço Lula. Isso está deixando profundamente desgostosos as viúvas do FHC, que queriam que o poço tivesse o nome de Fernando Henrique Cardoso. Eu gostaria que as ruas do Parque 10 todas mudassem de nome, aqui tudo é numero. Imagina trocar o Parque do Mindú para Parque Sabino Castelo Branco?...ahn?..que tal?. Temos o bairro Amazonino Mendes, viaduto Gilberto Mestrinho, temos a Praça Eduardo Braga. Por falta de nomes, poderiam por o nome do filho do Sabino Castelo Branco na Avenida das Torres, acho que seria muito merecido. Alias o Sabino Jr vai ser o futuro governador desse estado, esperem e verão, e juro, isso não é praga. O Amazonas é um feudo político e estamos entregues as baratas mesmo. Feliz ano novo mesmo assim.
Share:

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

É tudo paranóia tua rapá


Medo dos outros é paranóia. Só os nossos são reais. Se os traficantes do Complexo do Alemão tivessem levado a sério o plano de invasão não teriam perdido tanta maconha e pó. Os doidões ficaram achando que era” tudo paranóia tua rapá”. Agora o revellon de Copacabana periga ser o mais careta de todos. Vamos ter menos cheiro de maconha e menos nariz branco na praia. O Cacique Cobra Coral garantiu que não chove na virada, só depois, como sempre, mesmo a prefeitura do Rio não tendo honrado o compromisso de todo ano pagar as suas previsões esotéricas.
No mais, o fim de ano é época para largar as tralhas, o dispensável, o que não deu certo, as promessas não cumpridas, os amores que viraram encosto, largar para os Exús o que virou mala sem alça, os bodes pretos e o que dá prejuízo. Época de tomar banho de cachoeira, banho de mar com direito a pular três ondinhas e fazer pedidos para o ano que entra, fazer despacho pedindo coisas novas e boas e se não tiver mar nem cacheira perto serve pedir ao vizinho negão um pouco de urina e tomar banho com ela.
Para usuários do facebook é época de tirar da lista as pessoas xaropes, cancelar o Orkut que virou o primo pobre, limpar o computador de fotografias sem noção e jogar fora o celular velho pois o blackberry é mais chic meu amor. O despacho facebookiano deve ter uns itens indispensáveis. Uma lata de Red Bull, celular velho, uma garrafa de Absolut, no lugar da galinha preta levar um temake da hora, no lugar da vela preta levar incensos indianos comprados em uma loja hippie chic do Vieiralves, as flores podem ser de plástico biodegradável para ficar de acordo com a moda ambientalista criado em cativeiro.
Na hora de reverenciar os Orixás melhor pensar com fé, com amor, com deus no coração e rezar para o São Bill Gates e pedir que ele distribua sua grana com os usuários ouvindo Lady Gaga...e amem.
Share:

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Piriri pós natalino


É só o que resta da histeria coletiva que é o natal.
Quem ganhou presentes ainda tem algo pra guardar de lembrança, quem só fez divida está ferrado.
Agora é tentar se recuperar para o revellon que ainda vem mais dividas e ataques fulminantes ao fígado.
Isso se a pessoa conseguir jogar fora o resto que sobrou do natal. São tantos pratos lindos que a tendência é querer comer não importando se já estragou.
O piriri pós natalino só não é pior que a dor das dividas acumuladas.
Mas é isso ai. Bola pra frente que atrás vem gente, e como já dizia a grande esteticista É A Sorte Que Tú Não Tens, quem tem cú tem rêgo e só colar ele na parede que dá pra chegar são e salvo até o final do ano.
Ano que vem a gente inventa.
Share:

sábado, 25 de dezembro de 2010

O Deprê odeia natal


O Deprê quando vê Papai Noel fica louco. Late, roda, late, quer morder, rosna, olha pra mim e pede pra atacar. Se eu não der uma dura ele avança e morde legal. Ele detesta Papai Noel. Como esse é o primeiro natal dele comigo, já que ele chegou em minha vida já adulto e abandonado nas ruas, eu não sei muita coisa sobre ele. Só descobri na noite de natal porque ele detesta Papai Noel. Na verdade ele odeia mesmo são os fogos de natal. Quando deu meia noite eu ouvi do meu quarto ele dando com a cabeça no vidro da porta da sala, louco para entrar para fugir do barulho dos fogos. Ele tem raiva e medo de fogos. Então a invocação não é com o “bom velhinho” nem com a cor vermelha, já que ele é Dilma roxo. O lance são os fogos. Ainda bem que a gente não mora perto do bumbodromo. Ohhh povo pra gostar de fogos é esse de boi. Aliás ainda não entendi porque nêgo gosta tanto do barulho de bombas. Se morasse em pé de morro ou no Iraque não ia gostar tanto assim. Paciência, né não Deprê?!
Share:

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Entra anus e sai anus e continua o nosso buraquinho


Essa época não é de reclamar, de lamentar e de chorar pitangas e nem leite derramado. Tem mais é que chupar o pau da barraca, já que chutar dói. A idéia é chafurdar na jaca, já que o ano todo quem tem juízo vem pisando nela com as duas patas. Só que esse buraco da minha rua tá aumentando e já faz semanas que ele está lá, só dilatando, parecendo buraco feito de couro. O prefeito tambem é gente e deve ter família como qualquer primata mamífero. Até bonobos tem família, apesar da eterna suruba em que eles vivem. Esse buraco com o baldinho branco em cima tá fofo, um mimo, um presente de fim de ano para a rua três do Parque 10. Estamos pensando em fazer a ceia dentro dele. Os maconheiros da rua estão usando pra fumar, de noite parece filme rodado em Nova York, sai fumaça dos buracos. Periga a policia ir encher o saco dos carinhas e a prefeitura nem ai pra porra do buraco. Acho que vou organizar um rave com um monte de doidão pra ver se chama a atenção das autoridades pro assunto. Ahhh...vou ligar pro Datena...esses narco-apresentadores barezinhos da televisão só gostam da Zona Leste onde dá mais votos e eles enganam os trouxas. Tou frito.
Share:

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Thanks, Clara Claus pela Rosa e o Deprê


Mesmo um cara que se diz ateu como eu tem que agradecer a alguém quando a vida dá uma aliviada. Quando ela te sorri embora você não mereça, dê presentes e bálsamos para atravessar esse vale de lágrimas que é a vida. Este ano recebi dois presentes direto do céu, delivere divino, mesmo sem eu conscientemente ter pedido. Do nada, do meio do breu me aparece a Rosa para alegrar meus dias rabugentos e iguais. Devo isso ao destino e a Lú do Galvez, minha amiguinha, que sem sentir trouxe a rosa que faltava na minha festa e que pode ser a rosa do meu caixão, de tanto que ela consegue mexer comigo. O Deprê é um cão da raça beagle que entrou na minha vida para substituir o Tupã, meu amado american stardfordshire, que eu deixei morrer afogado nas águas do Rio Negro. O Deprê foi jogado de alguma forma nas ruas, depois de ter sido amado por um dono que de alguma forma o perdeu. Chegou sofrido, mas agora está bacana, esperto e vivo, enchendo de sol a mim, a Rosa e aos meus amigos, com seu estilo entrão e confiado, embora para compensar ele encha a casa de côco e de urina, demarcando território porque eu insisto em não querer castrá-lo. Hoje meus dias vai do céu ao inferno e para mim essa é a única forma de permanecer vivo de fato. A vida sem emoções não é vida e emoções baratas nem no banco de trás de um carro qualquer.
Portanto, obrigado a Clara Claus, ao Papai Noel, ao Meishu-Sama, aos Orixás, a Deus, a Alá, a Buda e ao meu querido São Jorge da Capadócia, protetor dos fracos e dos oprimidos. Feliz restinho de ano e que isso permaneça até a próxima esquina.
Share:

domingo, 19 de dezembro de 2010

Dicas para despacho de fim de ano facebookiano


Todo fim de ano é época para largar as tralhas, o dispensável, o que não deu certo, as promessas não cumpridas, os amores que viraram encosto, largar para os Exús o que virou mala sem alça, os bodes pretos e o que dá prejuízo. Época de tomar banho de cachoeira, banho de mar com direito a pular três ondinhas e fazer pedidos para o ano que entra, fazer despacho pedindo coisas novas e boas e se não tiver mar nem cacheira perto serve pedir ao vizinho negão um pouco de urina e tomar banho com ela.
Para usuários do facebook é época de tirar da lista as pessoas xaropes, cancelar o Orkut que virou o primo pobre, limpar o computador de fotografias sem noção e jogar fora o celular velho pois o blackberry é mais chic meu amor. O despacho facebookiano deve ter uns itens indispensáveis. Uma lata de Red Bull, celular velho, uma garrafa de Absolut, no lugar da galinha preta levar um temake da hora, no lugar da vela preta levar incensos indianos comprados em uma loja hippie chic do Vieiralves, as flores podem ser de plástico biodegradável para ficar de acordo com a moda ambientalista criado em cativeiro.
Na hora de reverenciar os Orixás melhor pensar com fé, com amor, com deus no coração e rezar para o São Bill Gates e pedir que ele distribua sua grana com os usuários ouvindo Lady Gaga...amem.
Share:

sábado, 18 de dezembro de 2010

Lula aposentado

Share:

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

THANKS CLARA CLAUS (Obrigado Papai Noel)


Mesmo achando o natal uma festa alienígena não adianta estrebuchar. Para onde se olha é natal. Na janela do carro é estrela...veadinho..ameba...enfeite de carnaval reaproveitado...anjinho...sininho..ameba...veadinho... enfeite de carnaval reaproveitado...anjinho. Dá um ar melancólico e bucólico a cidade. Pode ser ameba também. As luzes de natal é uma das poucas coisas legais, fora os porres com os amigos e os micos que se paga nessa data. Muita gente começa a beber, fumar maconha, dar o tôba e até a periquita, nessa época do ano. Ser não for, do carnaval não passa. De toda forma, pra quem é brasileiro o ano foi bom, apesar de tudo, apesar da torcida contra. O Lula está saindo bem na foto dos oito anos de governo. A Dilma entra com a bola alta. Falta gay no ministério dela, chega de mulher! Mulher no volante até a Madre Tereza de Calcutá vira Chuck, o Brinquedo Assassino. Dê poder a uma mulher e verás do que ela é capaz. Bem que podiam convidar o Ratinho, a última fofoca do ano, ele é gay. Maldades a parte o ano está no fim, quem comeu...comeu, quem não comeu não come mais e periquita que come piedra sabe lo culo que hás...amem.
Share:

Tom Cavalcante dará gravata comprada em Londres para Tiririca usar na posse. E o Maluf?


O humorista Tom Cavalcante dará uma gravata da Hermès, comprada na Harrods de Londres, para Tiririca usar na posse.
"Criaram esse monstro para ele e esqueceram de falar do cara centrado que é o Tiririca, do ser humano generoso e humilde que ele é", afirma Cavalcante.
"A gente lutou tanto pela democracia e quando uma pessoa do povo, mais simples, logra êxito, há uma reação contrária. Falaram demais. Ele nunca foi analfabeto. Lê normalmente, decora textos como ninguém", diz.
O promotor de justiça de São Paulo que trabalha de cabo eleitoral dos tucanos paulistas que insiste em perseguir o Tiririca adoraria dar é um par de algemas pra ele. Já o Maluf ganhou de presente da justiça do maior estado brasileiro o direito de tomar posse, mesmo acusado de vários crimes contrariando a Lei do Ficha Limpa.
Share:

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A tôuca do Noel (nesse natal emo)


O natal sempre dá um bode preto. Toda pessoa que faz algum tipo de reflexão histórica, filosófica, empírica sobre a vida, acha o natal uma festa vazia, imposta por culturas alienígenas e completamente sem sentido. A cultura consumista que envolve a data é tão alienante que muita gente simplesmente odeia o natal. Eu sou um. Porém resolvi não mais me importar com isso. Resolvi que não vou mais me incomodar quando a povo elege de novo políticos corruptos, quando o juiz erra sempre pro time mais poderoso, tipo São Paulo, quando a coisa acaba quando a festa esquenta e quando a gostosa sai com o cara que tem a coisa, e principalmente me importar com datas chatas que enchem o saco, tipo, natal e dias dos namorados. A solução encontrada é cair na gandaia também, festejar como todo mundo. Só que do meu jeito. Então pensei em uma festa pré natalina chamada “A Touca do Noel”. Seria uma espécie de esquenta pro carnaval, onde só entra quem vai de touca de Papai Noel, solamente, mas sem a obrigatoriedade de ir solamente de touca. Convidaria o aniversariante para fazer as honras na porta, mas sem os pregos e a cruz, festas heavy metal são chatíssimas, o máximo que ele poderia trazer da sua triste indumentária seria seus panos de bunda. Também não teria guirlandas, pois não consigo imaginar nada mais cafona que guirlanda. Ohhhh coisa feia é guirlanda. Luzes pode. Luzes é legal. Tai uma coisa que gosto do natal. As luzes. Agora o que não vai ter mesmo são as musiquinhas de natal. Ahhhhhhh...essas nemmmmmmmmm. A música para saldar amigos é com certeza, um bom samba. Tai uma coisa que realmente não pode faltar em uma festa de natal das boas: samba e amigos. Os bons e velhos amigos. No mais, tudo é dispensável, inclusive o pior de todos os itens banalizantes do natal, o tal do presente. O natal, essa festa não festa, deveria ser tudo, menos presente. Natal é o passado e o futuro, não o “presente”. Portanto é uma data pra nêgo festejar os amigos do passado e tornar possível ter mais amigos futuros. No mais, o lance é ir pra Touca do Noel.
Share:

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

WIKILEAKS: O SERRA, A GLOBO E A VENDA DO PRÉ-SAL


Por Paulo Henrique Amorim

Uma das notáveis vantagens do Wikileaks – que o Bonnner chamava de uaiquiliquis – é que ele confirma as suspeitas.
O Conversa Afiada sempre suspeitou que por tras da loucura do Padim Pade Cerra havia uma lógica.
A Bolívia é a responsável pelo consumo de cocaína nos Jardins, em São Paulo.
Fechar o Mercosul.
Colocar o ataque ao Irã no centro de uma “política” externa.
Qual a lógica desse bestialógico numa campanha eleitoral ?
A Bolívia enfrenta os Estados Unidos e não deixa instalar lá uma força tarefa “colombiana” de combate ao tráfico.
O Mercosul forte é a alternativa brasileira à Alca dos Estados Unidos.
O uaiquiliquis demonstrou que o Irã é o centro da política externa americana.
Ou seja, a lógica do Cerra na campanha era a lógica da política externa americana.
Não havia loucura nenhuma.
Como sempre houve lógica no entreguismo do Cerra.
Na defesa dos contratos de “concessão” do pré-sal, contra os de “partilha”.
É o que demonstra agora o uaiquiliquis, de forma lapidar (de “lápide”, “túmulo”):
“… novas rodadas (para explorar o pré-sal) não vão acontecer…
“… o modelo antigo (de “conceder”, “dar”) funcionava…”
” … mudamos de volta …
E diz a interlocutora, a funcionária da Chevron, membro do Instituto Brasileiro (?) de Petróleo:
” … as regras sempre podem mudar depois …”
A Dilma teve a percepção correta na campanha: essa eleição era sobre o pré-sal.
E a próxima eleição também, segundo a privilegiada funcionária da Chevron, que trata de graves assuntos, com tanta intimidade, com um candidato à Presidência do Brasil.
Como se isso aqui fosse um quintal.
Um Porto Rico – grande.
Para ela, a funcionária americana subalterna, depois a gente muda isso …
A gente: a Chevron e o PSDB do Davizinho e do Cerra.
O uiquiliques tem essa vantagem: confirma tudo.
Alguém tinha dúvida de que o Nelson Johnbim fosse um trêfego – como dá a entender o telegrama do embaixador americano ?
Ele, Nelson Johnbim que, no passado, já demonstrou não estar muito convencido de que o Brasil mereça ter 200 milhas territoriais – e, logo, direito ao pré-sal.
Alguém tinha alguma dúvida de que o Cerra é entreguista ?
O que será que eles dois discutiam – Cerra e Johnbim -, quando dividiam o apartamento funcional da Camara, em Brasilia ?
Como vender a Floresta Amazônica à L’Occitane ?
O Pão de Açucar ao Trump ?
Itaipu à Disney ?
Johnbim e Cerra fazem parte da mesma matriz ideológica do Farol de Alexandria, o pai da Teoria da Dependência: não adianta espernear porque seremos sempre dependentes.
Só que o Farol dá menos bandeira.
O Johnbim e o Cerra são mais “unusual”, como diria o Embaixador americano do Johnbim.
“Trêfegos”, pode ser a tradução.
O centro a questão brasileira é o pré-sal.
A indústria de equipamentos.
O domínio da tecnologia para fazer máquinas que explorem o petróleo em águas profundas.
Todo país que cresce é petroquímico-dependente, disse Dilma.
O ponto é: e de quem deve ser o pré-sal ?
Da Chevron ou do povo brasileiro ?
O resto é o luar de Paquetá, diria o Nelson Rodrigues.
E, como “depois a gente muda isso”, essa pergunta permanecerá por muitas eleições no centro da política brasileira: nós ou a Chevron ?
A Petrobras ou a Petrobrax ?
Só que o Padim Pade Cerra não é o maior dos entreguistas.
Como também não foi Roberto Marinho, que invariavelmente defendeu os interesses das chevrons, contra a Petrobras.
Como, hoje, os filhos do Roberto Marinho – eles não tem nome proprio – escondem – segundo o Stanley Burburinho – que o Cerra ia mudar o pré-sal para a Chevron.
Roberto Marinho, como os filhos, hoje, são sardinha nesse jogo de peixe grande.
O maior de todos os entreguistas foi o Carlos Lacerda.
Esse, sim, tinha talento e esteve muito perto de entregar o ouro aos bandidos.
Lacerda tinha consistência.
Não tinha escrúpulos – como o Cerra -, mas tinha Norte.
O Padim Pade Cerra, não.
Esse é um desnorteado.
Todavia, não é maluco.
A loucura dele tem lógica.
Mas, como diz o Brizola Neto, quem nasceu para Serra nao chega a Carlos Lacerda.
A Chevron acaba de descobrir isso.
Share:

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Wikileaks: Serra ia vender pré-sal para americanos da Chevron


“Deixa esses caras [do PT] fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava… E nós mudaremos de volta”, disse Serra a Patricia Pradal, diretora de Desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira norte-americana Chevron, é isso que mostra telegrama diplomático dos EUA, de dezembro de 2009, obtido pelo site WikiLeaks (www.wikileaks.ch). A organização teve acesso a milhares de despachos. A Folha e outras seis publicações têm acesso antecipado à divulgação no site do WikiLeaks.
O despacho relata a frustração das petrolíferas com a falta de empenho da oposição em tentar derrubar a proposta do governo brasileiro.
O texto diz que Serra se opõe ao projeto, mas não tem “senso de urgência”. Questionado sobre o que as petroleiras fariam nesse meio tempo, Serra respondeu, sempre segundo o relato: “Vocês vão e voltam”.
O consulado também avaliava, em 15 de abril de 2008, que as descobertas de petróleo e o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) poderiam “turbinar” a candidatura de Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil.
O consulado cita que o Brasil se tornará um “player” importante no mercado de energia internacional.
Em outro telegrama, de 27 de agosto de 2009, a executiva da Chevron comenta que uma nova estatal deve ser criada para gerir a nova reserva porque “o PMDB precisa de uma companhia”.
Texto de 30 de junho de 2008 diz que a reativação da Quarta Frota da Marinha dos EUA causou reação nacionalista. A frota é destinada a agir no Atlântico Sul, área de influência brasileira.
Share:

domingo, 12 de dezembro de 2010

A web cam e o vibrador


Muito pouco se sabe sobre o que se passa na mente humana apesar de todos os estudos feitos, de toda a ciência e de toda a tecnologia. Nossos corações e mentes continuam sendo uma fortaleza inexpugnável para a curiosidade infantil da religião predominante chamada ciência, ainda bem. Sem o encanto do mistério acaba toda possibilidade de poesia. Sem os segredos da alma nada mais se revelaria, e a vida seria muito pobre.
Porém a mesma curiosidade infantil que pode ser tão obvia e chata, cria tecnologias e brinquedos interessantes para o deleite da raça humana, inclusive o meu. Entre eles a web cam e o vibrador. Juntos fazem uma dupla que se usadas da forma correta são extremamente úteis para ajudar no processo de busca da felicidade, único compromisso que um ser humano decente deve ter nessa vida ordinária.
Navegando como um vagabundo depravado pelas ondas da internet, surfando em mares pecaminosos das salas de bate papo que permitem imagens pornô, uma criatura me aborda. Uma mulher com nome de Mercedes. Ela disse que estava adorando as imagens de sexo anal que eu estava mandando paras as salas. Coisas que aprendi a fazer para melhor abordar a mulherada que freqüenta esse meio doentio e sórdido. Trocamos msn, um programa chat que permite falar, mandar arquivos e até conversar por web cam, tudo em tempo real. Descobri que Mercedes era na verdade Julia, uma gata linda de Pouso Alegre, Minas Gerais. E que adora usar brinquedinhos e ser vista na rede. Uma excelente amostra da verdadeira mulher mineira, recatada, católica apostólica romana.
Ela usa o vibrador com se fosse a ultima refeição de um condenado a morte. Adoro ver a doida manipulando seu brinquedinho diante da web cam para eu ver.
Ficamos amigos e rola até saudade quando ela fica dias sem entrar. Conversamos sobre outras coisas além de sexo virtual e suas virtudes. Falamos sobre namorados que não batem um bolão, que deixam a namorada dias sem orgasmos, sobre o valor asséptico do uso do vibrador, se camisinha é necessário na hora de usar o treco...enfim, trivialidades que qualquer namorado normal conversaria com sua amada no sofá da casa dos sogros.
Viajei durante o feriado do carnaval e andei pegando mulher de carne e osso, só pra sentir a diferença. Tem muita não, às vezes é até pior, vem no pacote um monte de demandas aborrecentes, seqüelas irreversíveis, como neuroses, coisa pior que aids ( Sei que falando assim devo parecer um prato cheio para um psicanalista lacaniano que adora a palavra sublimação...de cú é rola como diria o caboco ). Sei que quando acessei novamente o msn ao voltar do feriadão, encontro minha amiga inconsolável, triste, dizendo-se morta de saudades, que eu a tinha abandonado, que sem mim do outro lado da cam, brincar com o vibrador não tinha a menor graça. Que tinha suspeitas que alguns sintomas do que estava sentindo seria indício de estar se apaixonando por mim. Fiquei comovido, tocado, flechado.
Entre a web cam e o vibrador, com certeza, mora um coração. Pouso Alegre fica 300 kms do Rio. Vou ter que ir lá ver meus pais em breve.
Share:

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Depois as brasileiras é que são putas


O australiano Julian Assange, jornalista e ciberativista, responsável pelo Wikileaks, foi acusado pelo governo sueco de ter comido uma mulher sueca consensualmente porem sem camisinha. Ele acusa o governo sueco de estar usando esse argumento a mando do governo americano para pressioná-lo por causa das denuncias que abalam a credibilidade dos EUA. Se isso for verdade, cai por terra a tese européia de achar que as brasileiras são putas, embora alguém tenha que avisar a eles que travesti não é mulher. Essas suecas que acusam o cara do Wikileaks estão ajudando a tentativa de paralisar a única fonte de noticias com credibilidade no mundo. São umas putas, com todo o respeito as putas.
Share:

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Wikileaks: Não coma suecas, você ficará sem cuecas


Wikileaks é uma organização transnacional sem fins lucrativos, sediada na Suécia, que publica, em seu site, posts de fontes anônimas, documentos, fotos e informações confidenciais, vazadas de governos ou empresas, sobre assuntos sensíveis.
O caso Wikileaks está nos jornais do mundo todo. O australiano Julian Assange, jornalista e ciberativista responsável pelo Wikileaks, está sendo perseguido pelo governo americano por ter vazado informações tidas como sigilosas e por isso foi preso, acusado pelo governo sueco de ter comido uma mulher sueca consensualmente porem sem camisinha.
O que dá pra pensar nessa história é que uma mulher sueca só descobre que o cara está metendo nela sem camisinha só depois que ela goza ou só depois que ela recebe alguma grana pra foder o cara. O certo é que depois dessa, a lição é: nunca coma uma mulher sueca, senão você ficará sem cueca.
Share:

Não paguei o boteco por culpa do Wikileaks


Ontem sai para beber e não consegui passar meu cartão para pagar a conta, o jeito foi pendurar. Quando cheguei em casa descobri pelos jornais da TV que hackers amigos do Wikileaks tinham derrubado as redes de cartão de crédito pelo mundo afora, como forma de vingança pela prisão do seu diretor, o australiano Julian Assange, jornalista e ciberativista, e por essas redes de cartão terem, criminosamente, cortado o credito do cara a mando do governo americano, não permitindo assim ele pagar sequer advogado. Ele foi preso por ter transado consensualmente com uma sueca sem camisinha e faltou a uma audiência por estar viajando.
A democracia e a liberdade de imprensa que a grande mídia brasileira quer é essa mesma denunciada pelo Wikileaks. É a democracia dos que podem estar por cima da carne seca, da elite, dos que estão no poder e a camada da sociedade que vive sustentada pelos privilégios do esquema dessa gente. Quando o Wikileaks destrói a credibilidade do falso discurso democrático do governo americano largamente apoiado pela Rede Globo da família Marinho, pela Folha de São Paulo da família Frias e pela repugnante revistinha Veja da família Civita, na verdade está abrindo de vez a cortina das mentiras e das falcatruas que todos já sabiam. A verdade nunca é contada como de fato é para as pessoas normais, aos cidadãos de bem que constroem uma nação com seu trabalho digno. Agora vai ficar claro de que lado essa gente está. A grande imprensa brasileira sempre se aliou aos interesses do governo americano e publica como verdade absoluta todas as propagandas destiladas por eles, ajudando a implantar a ditadura militar no Brasil inclusive. Vejam o caso recente de Cuba, Irã, Bolívia, Guatemala, Venezuela, etc.
Por isso essa gente odeia a idéia de ter um órgão regulador de qualquer espécie para que a população tenha como se defender desses criminosos que controlam a imprensa no país através de monopólios de empresas de comunicação. Essa gente odeia o Wikileaks, portanto, viva a democracia e viva Wikileaks!
Obs: Não coma suecas de forma alguma, um dia quem ficará sem cuecas é você.
Share:

O Deprê arrumou uma cadela inflável


Não acreditem no que o filme fala sobre o facebook. Atrás dessa parede dura existe gente que tem coração. Graças a um amigo da minha lista achei a solução para o problema do Deprê. Uma loja pet vende cadelinha inflável com xoxota lubrificada e tudo. Mostrei pra ele e o maluco ficou doidinho. Vou comprar uma vermelhinha, ele votou na Dilma, acho pela cor do PT. Pena que leve uns dias pra chegar, mas melhor que nada. Acabaram-se os problemas do Deprê, ele agora tem uma cadelinha, uma bola, uma bóia pra nadar, um osso, tudo num pacote só. Que maravilha!
Quem tiver esse mesmo problema com seu cão é só linkar http://www.criadesignblog.pop.com.br/post/1415/cadela-inflavel-ou-sex-doll-a-nova-sensacao-do-mundo-pet .
Share:

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O Deprê precisa namorar


O Deprê é um cão beagle que apareceu na minha vida medíocre já adulto. Trazido por almas boas que o encontraram abandonado pelas ruas, feito um cão sem dono. O nome hoje não combina com ele. Quando chegou era uma lastima. Fedido de malassezia, carrapatos, sarna e também muito deprimido por ter sido abandonado. Hoje é um poço de segurança, altivez, chega a ser marrento até. Mais que o Romário, baixinho e invocado, porém com muito mais classe. Desenvolveu a característica de ser manipulador por conta da compaixão com que as pessoas o tratam pelo histórico xarope da vida dele. Ele usa e abusa da confiança das pessoas. Não pode chegar uma amiga que ele quer montar. Salta, pula, faz gracinha, um cão encantador e canalha. Até a minha mina ele viaja em pegar, mas dou um sacode pra ele vazar, pegar o beco, senão ele come mesmo. Por isso estou em campanha para arrumar uma namorada quadrúpede pra ele. Não precisa ser espécie canina, basta ter quatro patas, com certeza, ele traça. Até uma mesa ele pega. Comida, conforto, amor, afeto, tudo ele isso tem. Amor e sexo são coisas diferentes. O que falta para o Deprê é sexo puro, selvagem, com alguma coisa que tenha quatro patas. Se alguém tiver alguma forma de vida que tenha essa característica em casa, conto com ajuda dos amigos. Estou pensando em arrumar um boi bumbá, daqueles de Parintins, um pequeno, garrote, e por alguma mina dentro ( paga claro), pra dar umas sapecadas no Deprê. O que não posso é ver meu brother nesse estado lastimável aqui do meu lado, roendo osso de pau duro. Ahhh...nãooo!
Share:

Wikileaks comprova meus "delírios paranóicos"


O Obama é um grande vaselina. Que negão safado. Fez uma media acabando com o embargo covarde e ineficiente a Cuba e agora vai construir bases militares na Colômbia de olho na Amazônia. Dessas bases eles podem voar em caças sem escala até a Ilha de Marajó no Pará e até o Mato Grosso do Sul, cobrindo toda a extensão da Amazônia Legal. Os USA reativaram a Quarta Frota da Marinha de Guerra, que se encontrava desativada desde o fim da guerra fria. Afinal os cucarachos do sul não tinham como reagir ao controle político da maior e mais armada potencia atômica do mundo, pensavam eles, portanto está tudo tranqüilo no nosso quintal. Esses foram os eventos que deflagraram os meus delírios paranóicos, e de acordo com eles, existem vários motivos para a reativação desse aparelho de guerra.
Motivo um. A Venezuela, um dos maiores fornecedores de petróleo para os ianques, com o Hugo Chaves no poder, mantém uma política antiamericana, insuflando outras republicas bananeiras a fazê-lo. Anda comprando AK-47 da Rússia para derrubar os helicópteros Apaches ianques armados com mísseis. As crianças palestinas tentam com baladeiras e fundas, sem muito sucesso. Com a desculpa de combater o narcotráfico e as FARCS na Colômbia, o presidente da Colômbia, tradicional baba ovo da política externa gringa na região, vai provocar o Chaves, ele engole e reage, ai entram os porta aviões e os marines americanos para proteger seus aliados, através do Caribe, e das bases que tem no país colombiano, fincando a primeira bota na Amazônia, alvo principal, e de quebra, pressiona a Venezuela com sua imensa reserva de petróleo. O Chaves convidou a Marinha Russa para dar um passeio pelo Caribe, pegar um solzinho, os russos são muito pálidos. O convite foi prontamente aceito, lógico, afinal, na crise da Geórgia, os americanos entraram com navios de guerra no Mar Negro, em uma clara provocação aos russos. Eles vêm para dar o troco. Já chegou ao Caribe o imenso porta aviões “Pedro, O Grande”, o maior da frota russa. O cenário está ficando bom para uma guerra relâmpago e intervenção longa.
Motivo dois. O governo Lula através da Petrobrás descobriu reservas imensas de petróleo fino, de primeira, no pré-sal brasileiro, no Oceano Atlântico Sul, que os ianques afirmam categoricamente ser quintal da casa deles. Esse é um grande motivo, e todos nós sabemos o que eles são capazes de fazer por petróleo. Vide Iraque. A cultura americana do “todo homem precisa ter um carro”, é construída nessa verdade inventada que cheira a gasolina e é a principal causa do aquecimento global, não o desmatamento na Amazônia, como dizem alguns ambientalistas pilantras.
Motivo três e que desencadeou a fome americana de ocupar de vez o que ela acha que é seu quintal. O capitalismo selvagem, respaldado na filosofia neoliberal, quebrou que nem o Muro de Berlim. A gandaia das instituições financeiras, que há anos chafurdam na grana do mundo todo, sem produzir um prego sequer, vivendo só do vampirismo da especulação, parece estar com os dias contados, para o pesar da Miriam Leitão, do Diogo Mainardi e do Arnaldo Jabour, que juravam até ontem que o capitalismo era o moderno e que o socialismo era coisa de chato retrogrado. Privatizaram o lucro e agora querem socializar o prejuízo.
Motivo quatro e principal motivo. No caminho para o pré-sal, no mar do sudoeste brasileiro, com o argumento de que só vão fazer pesquisas, a Quarta Frota resolve fazer uma visita amiga a Amazônia, só para ver como andam as coisas no quintal ainda virgem. Pegam uma onda na Pororoca para economizar gás, vem surfando pelas águas barrentas do Rio Amazonas até Manaus. Enquanto isso, na Raposa Serra do Sol, “missionários” americanos e ambientalistas entreguistas que já estão entranhados na região há décadas, catequizando os índios, dizendo que eles têm direito a ter uma nação livre e coisa e tal, inclusive, denuncias do ultimo indigenista brasileiro Orlando Villas Boas, nos idos de 1966, já constatava que índios mais “espertos”, eram levados por “missionários” para os USA, para aprender inglês, passar por lavagem cerebral e voltar com discurso de independência do Brasil, fazendo a cabeça dos outros índios com esse discurso, pregando a criação de nações dentro de nações, como na Servia e Montenegro, que vivem guerras civis intermináveis por motivos étnicos e religiosos. Eles criam uma situação beligerante, de guerra, por esse motivo entra a ONU (leia-se USA) para “ajudar” no conflito e para justificar uma futura intervenção, em nome da independência dos povos. Isso já está acontecendo. Como a Quarta Frota não tinha nada para fazer mesmo, e estava por perto, resolve ficar por mais tempo na região para “colaborar” e por ordem no galinheiro.
Com a ajuda prestimosa das ONGS, que já fizeram o mapeamento completo da Amazônia com sua riqueza mineral e farto material biológico, e claro, contando com todo o apoio de jovens pesquisadores brasileiros, loucos para trabalhar diretamente para as potencias do hemisfério norte, os ianques aproveitam para montar as estruturas de dominação completa. Criam universidades de primeira que só a grana gringa pode montar, nas quais pesquisadores e ambientalistas vão se esmurrar para entrar, porque a bolsa e a estrutura vão ser excelentes. Os ianques olham para o governo cucaracho bananérico brasileiro e perguntam “royalties ou bala?”. Claro que royalties, bala dói, e é de grosso calibre, mano. E vão ficando que nem no Panamá, que era para eles terem saído a mais de dez anos. E tem mais, a Amazônia é “patrimônio mundial”, portanto, casa da mãe Joana, e quem têm mais bala fica de galo.
Por conta desses delírios, acho que preciso aumentar a minha dose diária de Lexotan ou de Demerol, pois, se não passar, vou entrar para o movimento Neofacista Ambientalista, que apregoa que na possibilidade dessa invasão acontecer, por pura falta de poder de fogo para reagir, a idéia é partir para a solução final. Desmatar e tocar fogo em tudo, não deixar nenhuma arvore em pé, fazer churrascão com todos os animais que for encontrando pela frente, botar pra correr tudo que é índio Macunaíma filha da puta, ir comendo todas as caboquinhas que pintarem, para não sobrar uma virgem para gringo pegar, catar todo ouro e diamante que puder e ir morar no altiplano boliviano, para ver o circo pegar fogo do alto porque é mais fresquinho, e ficar esperando para ver se a profecia Maya sobre o fim dos povos em 2012 é verdadeira. O fim da civilização deles eles acertaram. E ficar o restinho da vida que resta só de brisa e farinácea boliviana, niilistamente esperando o fim.
Share:

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Que campeonato estranho esse!


O Brasil a cada ano que passa deixa de ser o país do futebol. O campeonato brasileiro é um show de pelada sem graça. Os times se desfazem no meio do campeonato porque os clubes vendem o time inteiro para a Europa e sobram uns jogadores de segunda divisão para disputar o Campeonato Brasileiro. O Fluminense sai da terceira divisão e se torna campeão direto, mostrando que não existe projeto ou estrutura e sim uma gangorra, um bingo. Sem tirar o mérito do Fluzão, mas quem ganhou foi o Muricy Ramalho por saber jogar nesse caos que é essa competição. Até o craque do campeonato é argentino. Quem diria que um dia iríamos engolir um troço desses. Tanto que a torcida do Fluminense anda dizendo por ai que o Conca é melhor que o Maradona pra justificar.
Para o Corinthians ainda resta uma esperança esse resto de ano. O Ronaldinho fez mais um teste de DNA solicitado pela mãe de um menino de cinco anos. Quem sabe não ganha ao menos um filho nesse finalzinho de 2010, né não!?
O Muricy Ramalho já virou carioca, perdeu aquele mau humor que dava aos campeonatos um tom menos melancólico, ou seja, o bom e velho Muricy perdeu inteiramente a graça! Sua irritação com a vitória proporcionava alguns dos raros momentos originais do futebol brasileiro nos últimos tempos. “Isso aqui é trabalho, meu filho!” – era a coisa mais gentil que conseguia dizer diante de um elogio pela conquista de um campeonato. Alguns de seus chiliques em dia de festa são, ainda hoje, tão memoráveis quanto sua incrível coleção de títulos. Agora leva banho de balde d’água na cabeça e ainda diz “num ixquenta” e vive indo pro treino de chinelo pelo calçadão. Fodeu, a ultima graça do campeonato acabou. A esperança é que ele vá passar férias em São Paulo e volte a ser ele mesmo.
Share:

domingo, 5 de dezembro de 2010

Nova atração no Rio: andar de anfíbio pelo Alemão


Com o sucesso da operação da policia no Complexo do Alemão e a comunidade pacificada, o governador Sergio Cabral está pensando em fazer um Parque Temático da Violência. Os turistas pagariam para passear pela comunidade dentro dos anfíbios da Marinha do Brasil enquanto moradores da comunidade encenam que são bandidos trocando tiros com a polícia. Vai ser a nossa Disney World, com direito a trem fantasma pelas galerias do esgoto por onde fugiram os bandidos. O empreendimento poderá se tornar mais famoso que o Bondinho da Urca. Simuladores de motos em zigue-zague no labirinto de vielas; baile funk virtual, tiro ao alvo, vista aérea de teleférico, MacDonald’s com design de mega birosca, além, é claro, do disputadíssimo passeio de “lagarta anfíbia” que inspirou tamanha idéia de jerico.
Share:

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O clássico corno do facebook


Trair nas redes sócias tem muitas vantagens. O processo de seleção pode ser sofisticado e com a tecnologia da webcam com áudio facilita muito a escolha até a saída para o test drive. Enquanto a mulher fica pilotando seu laptop deitada na cama no quarto e o marido finge trabalhar na sala também com o seu laptop conectado as redes sociais, o mundo todo entra em rota de colisão pelos canais da web. Essa rota de colisão aparentemente segura às vezes pode reservar surpresas. Um amigo meu, consciencioso da sua segurança no adultério virtual, marcou com uma gata que conheceu pelo facebook que permite ver fotos pelo chat, mas não vídeo. Essa tática facilita aos quarentões já acabadinhos por fotos de décadas atrás para parecerem mais jovens e assim fica mais fácil pegar um peixe na rede, ou até mesmo por foto de outra pessoa por se achar mais ridículo do que realmente é. Marcaram em um shopping da cidade, a Monica de moto e o Eduardo de camelo. Quando o meu amigo sentou no barzinho para esperar a gata do facebook olhou em volta e viu ao lado a sua mulher, sozinha sentada tomando um chopp. Perguntou o que ela estava fazendo ali bebendo sozinha, já que ele achava que ela tinha ficado em casa, na cama com seu laptop. Ela falou que deu vontade de sair, relaxar, que se sentia infeliz sozinha em casa, pois os dois estavam se distanciando e pareciam estranhos apesar de estarem casados faziam doze anos, numero de uísque bom. Ele se emocionou com a franqueza da esposa e rapidamente esqueceu que estava esperando uma gata estranha do facebook. Pediram mais dois chopps e conversaram como dois namorados fazem quando o amor os atrai para dentro da alma um do outro e ali é o melhor lugar para estar, o mais seguro. Se beijaram como nunca antes haviam se beijado, sob o aplauso dos bêbados das mesas ao lado. Resolveram ir correndo pra casa e se amar desesperadamente, sem perda de tempo. O meu amigo resolveu perguntar in passant a mulher dele se ela estava esperando alguém e ela francamente respondeu que sim, um cara que tinha marcado pelo facebook, um estranho, mas que agora não tinha o menor sentido esperar. Ah tá!
Share:

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Evento pré natal emo com Daime no Largo


Para ajudar a difundir a cultura Amazônica no Largo São Sebastião, dentro do projeto Panis et Circense tão bem elaborado pelo arqui-secretário vitalício renascentista de Corte e Costura do Amazonas, a Associação dos Emos da Amazônia promoverá o Primeiro Festival do Daime, bebida associada a um ritual religioso plenamente difundido na região amazônica chamada também de Ayahuasca.
O festival contará com o apoio de varias ONGs de Ambientalistas Criados em Cativeiro da região e começará com musicas incidentais de Meditação Zen Noção para todo mundo entrar no clima, depois será servida a bebida em copos descartáveis e quem quiser, pode levar sua caneca. Em seguida todos ficarão andando em círculos abraçando-se uns aos outros para entrar em comunhão. Os emos pulam essa parte porque eles costumam se comover muito e chorar quando se abraçam e isso travaria o ritual. Depois disso haverá o Grande Abraço da Arvore Mãe Ascenstral (GAAMA), onde todos os presentes darão as mãos em volta das arvores do Largo (Obs: favor não levar laptop, celular, necesset ou pochet ridícula, pois a região é infestada de tubarões voadores, meninos cheira colas alimentados pelos padres franciscanos), nesse ritual do abraço todos cantarão mantras tipo. ado..ado...ado..cada um no seu quadrado...ado..ado..ado..cada um no seu quadrado..., repetidas vezes até que a bebida faça poinc. Em seguida muito provavelmente, baixará uma luz, algo que todo mundo quando bebe diz que vê. A partir daí é cada um por si, pode dançar bundalele, funk da apertadinha, calypso da arrombadinha, enquanto os emos associados farão seu ritual cabalístico do grande beijo na boca de olhinho fechado homem com homem mulher com mulher. As autoridades presentes serão recebidas pelo próprio arqui-secretário vitalício renascentista de Corte e Costura do Amazonas in vitro, que na ocasião servirá uísque de primeira com pedras de gelo feitas com daime porque gente chic é outra coisa, meu amor. Essa baladinha será de graça para não falarem por ai que fazem eventos com dinheiro publico e ainda tem a cara de pau de cobrar. Que me venha à borracheira nesse povo. Oooohhh povo feiiiiiiiooo.
Share:

terça-feira, 30 de novembro de 2010

O Deprê é péssimo de supermercado


Fui ao mercadinho do Japonês perto de casa às sete da manhã, horário que normalmente estou no melhor do sono. Acho que ando estranho, com insônia, e também acho que ando bebendo demais. Fui comprar pão, leite e água sanitária pra limpar o cocô que o Deprê faz aos quilos. Quando pedi o pão do moço da padaria senti a primeira fisgada na barriga. Senti que não estava bem, que aquelas pontadas significavam que o charuto estava no beiço. Mesmo assim mantive a dignidade e a classe, me dirigindo a prateleira de material de higiene, quando veio à segunda fisgada forte anunciando que se eu não acelerasse, o charuto cairia do beiço. Senti que ia sujar. Perguntei pro cara que arruma prateleiras se tinha banheiro, ele falou pra pegar a chave com a caixa que o banheiro ficava lá fora. A porra do banheiro era longe paca, mas ao menos tinha banheiro, então relaxei. Foi meu erro. Na terceira fisgada eu já sabia que o charuto era pasta, e estava realmente no beiço. Quando vi a porta do banheiro com dois cadeados parecendo porta de cadeia, entrei em pânico. Quando abri o segundo cadeado, a pasta estava escorrendo nas minhas pernas, eu tentando empurrar a porra do Deprê pra dentro do banheiro pra ver se salvava algo. Deu não. A solução foi tirar a bermuda e lavar na pia, nem papel aquele cocho chamado de banheiro tinha. Uma sensação de desespero se abateu quando pensei “como vou sair daqui e andar até em casa?”. Fodeu! Fiz o que pude. Saio arrastando o Deprê até o caixa, devolvi a chave e fui pra casa com toda a dignidade pelas ruas de dentro. E o veadinho puto porque o passeio dele foi interrompido. Não levo mais o Deprê em supermercado.
Share:

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Depois do Alemão, vem ai o Tropa de Elite 3


O José Padilha é um daqueles cineastas vampirinhos, que fazem filmes em cima de desgraças sociais achando que são diferentes dos políticos que lucram com a miséria alheia e se acham gênios, mesmo sendo o supra- sumo do obvio. Depois da tomada do Complexo do Alemão pelas forças do Estado, ele vai ter que se virar melhor que o habitual para fazer algo com a nova realidade. Vai ser difícil a alguém acostumado com arroz e feijão e em realidades simplórias arrumar roteiro pra fazer o Tropa de Elite 3, agora que a policia virou herói no Rio. O José Padilha é o novo “intelectual do contra” do PIG, por falta de coisa melhor.
Share:

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A moda do desenho no Facebook começou com a Xuxa


Depois da pulseira do sexo uma nova moda está virando febre. Personagens de desenhos infantis estão ocupando o lugar das fotos no perfil das pessoas que usam o Facebook. Dizem quem começou foi a Xuxa e a Sasha, dois personagens infantis da televisão brasileira. A moda pegou e virou febre. Marmanjos estão virando Bambam, Pedrita, Mickey, Pateta. As pessoas usam sem nem saber porque, assim como usavam a pulseira do sexo, que cada cor indicava o tipo de pegada sexual, tinha gente que usava a pulseira preta e não entendia que sinalizava levar dedada no tôba, e ainda ficava bravo quando levava. Essas modas é que nem fumar maconha. Muitas vezes nêgo fuma porque alguém fuma. O efeito manada é de contagio rápido, e as pessoas se contagiam facilmente. Essa moda do desenho na verdade é uma campanha contra a pedofilia, que pede que as pessoas usem personagens de desenho da sua preferência no lugar da foto do perfil do Facebook. Só não vale o Batman, dizem que ele pegava o Robin desde criancinha.
Share:

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O Deprê andou cheirando baygon


O Deprê é o meu beagle safado. Como ele chegou em casa já adulto, trazido por almas boas que o encontraram perambulando pelas ruas do Conjunto Tiradentes, eu não sabia quase nada dele. Inclusive o nome Deprê é porque ele chegou muito deprimido pelo tempo de abandono nas ruas. Acho que foi um cão muito amado e por algum motivo ele foi parar nas ruas. O fato é que de uns dias pra cá ele estava tendo crises de convulsão, parecendo epilepsia ou envenenamento. Achei que era porque lavei a casa com água sanitária demais. Até que percebi, depois do terceiro ataque convulsivo, que só acontecia no corredor que dá acesso aos quartos. A porra do maluco que mora na minha casa, um Zé Sem Noção, estava sapecando baygon no quarto dele pra matar baratinhas e mosquinhas amazônicas, já que ele veio de Campinas e disseram que aqui os insetos matam mais que peixeira de baiano. O mala estava matando meu cachorro também. Muito cuidado, pessoas matam cães todos os dias sem querer. Outra, nunca more com gente sem noção, um dia quem pode perder a noção é você.
Share:

Sonhei com o Caminho de Santiago a la barezinho


Vou em junho do ano que vem fazer o Caminho de Santiago de Compostella pela rota do Porto, Portugal, aproveitando que um grande amigo está fazendo doutorado lá. Estou tentando juntar grana pra fazer isso. Meu plano é levar meu amorzinho, meu tarôt e meu laptop pra ir fazendo mapa astral pela rota, parando nos vilarejos e enchendo a cara de vinho do Porto que lá é mais barato que cerveja aqui. Isso virou idéia fixa que até tive um sonho com isso. Um sonho absurdo. Me vi no caminho de Santiago vestido de xamã indígena pirata, com um cocar de índio fake do boi-bumbá, jogando tarôt sendo auxiliado por uma cabona (ajudante de pai de santo) russa vestida de cunha poranga dançando e pegando a grana dos gringos. E eu jogando tarôt e batendo tambor pra russa dançar. Nem sei se isso é sonho ou pesadelo, mas que deu idéia, deu.
Share:

E o natal emo chegou


O natal roxo, lilás, prata e tons de rosa é a tendência desse ano. É o natal emo. As guirlandas roxas conseguiram ser mais feias do que as guirlandas vermelhas. Oh coisa feia e cafona é guirlanda, me lembra enterro e agora roxo, lembra mais ainda. O papai Noel roxo está mais legal. O Vermelhinho cansou. A árvore lilás e rosa ficou melhor que o clássico vermelho. As luzes são a melhor coisa do natal. Aliás tudo que é cafona passa despercebido no natal. No natal pode tudo. Até abraçar inimigo e vomitar no peru dele. As musiquinhas de natal ainda não ouvi, essas são a parte mais podre do natal ohhhh coisa chata é musiquinha de natal, principalmente com a Xuxa cantando. Natal é bom com samba, amigos e gente bêbada falando bobagem romântica. Ainda tem um mês de chantagem comercial pela TV, outdoor e etc. Coitados dos pais de muitos filhos e lisos.
Share:

sábado, 20 de novembro de 2010

Carta as viúvas desconsoladas


O fato de ter perdido um ente querido ou uma eleição não é justificativa para essa disseminação de preconceitos, injurias e difamação que anda ocorrendo pelo Brasil. O preconceito de classe ou contra o pobre, contra o nordestino, contra negros e homossexuais virou um fenômeno de grandes proporções em vários níveis da sociedade. O preconceito que alguns têm do Lula foram transferidos para a Dilma em dobro. O Lula era cachaceiro, nordestino ignorante, analfabeto funcional, mesmo não sabendo que diabos é isso, não sabia falar inglês e muito menos português e o escambau. A Dilma não bebe, não fuma, vem da classe média alta e tem alto grau de escolaridade, alem de não ser nordestina, isso obriga aos canalhas preconceituosos de plantão e viúvas do FHC e agora do Serra, a reinventarem a lista de baixarias e preconceitos. A Dilma é agora terrorista, lésbica, mandona, rica metida à socialista e outras milongas mais. As demonstrações de intolerância está se espalhando pelo país, inclusive na imprensa. Um apresentador da repetidora da Rede Globo, na moderna Florianópolis acusou o governo “espúrio” do Lula de ser culpado pelos acidentes nas estradas de Santa Catarina por ter diminuído os impostos dos carros e permitido aos pobres, a ralé, ter acesso a veículos, jogando nas estradas um bando de miseráveis que não deveriam ter acesso a nada. Isso talvez explique porque o DEM se mudou pra esse estado. Isso é uma amostra do sul maravilha. Conheço viuvas mais dignas, que se consolam até com consolos, mas não ficam berrando baixarias pela imprensa ou pelo facebook. Por essas e por outras razões, viva o povo nordestino! E viva o Brasil!
Share:

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Homofobia em Sampa vira fonte de energia


Esses paulistas são tão criativos que o resto do Brasil todo copia. Principalmente quando é amazonense cabeção. A nova é usar as surras que as bibas levam todo dia na Paulista como fonte de energia, já que a policia tucana solta os playboys riquinhos que batem nelas porque em Sampa só pobre vai preso. Vão ligar pinos ligados a baterias remotas, espalhados pelo corpo das bichinhas que andam pela região do MASP, Trianon até a Augusta. Elas seriam uma espécie de poraquê, de peixe elétrico. Assim quando elas levarem uma tundra vão gerar energia para as baterias remotas que servirá para iluminar a avenida, economizando para as termoelétricas privatizadas do Serra. E esses pobres nordestinos cabeças chatas não votaram nele. Que injustiça!
Share:

O PIG perdeu a quilha e ataca de sociólogo francês


A Rede Globo dos Marinhos, a Folha de São Paulo dos Frias, a gosmenta revistinha Veja e mais algumas famílias formam uma quadrilha que controlam a grande imprensa brasileira chamada honrosamente de PIG (Partido da Imprensa Golpista) que odeia pobre e tem preferência por políticas que privilegiem as elites que eles representam. Por isso tem ódio de presidente de origem trabalhista e nas camadas mais pobres. Seu sonho de consumo é ter presidente saído da elite paulista e que tenha ideologia privatizadora aberta ao grande capital internacional, pra poder ganhar algum jabá em cima, tipo tucanos de Higienopolis. Esse povo do PIG perdeu as eleições apesar de jogar muito sujo durante a campanha, difamando a Dilma de manhã, de tarde e de noite.
A nova deles é trazer ao Brasil a velhinha da Praça é Nossa travestido de sociólogo francês, com nome de Alain Touraine, 85, doutor honoris causa por 15 universidades, velho amigo do Zé Baixaria vulgo José Serra que, de acordo com ele, perdeu a disputa não por erros seus ou de seu partido, mas por causa do "maremoto" da popularidade de Lula, capaz de eleger a "desconhecida" ou “poste” Dilma Rousseff (PT). Esse povo não quer entender que democracia se faz nas urnas e que a grande mídia brasileira perdeu, a elite perdeu e o povo ganhou. A escolha foi pela continuidade de um governo que está trazendo reformas e melhorias ao Brasil, apesar de muita coisa a fazer, embora esse governo não tenha pé no universo de doutores que a época do FHC afundaram o pais por três vezes.
Trazer sociólogo francês amigo dos tucanos pra falar que a Dilma é um retrocesso, diretamente da terra do Sarkozy, o ultra direitista, é querer por no Sarkozy dos outros. Aliás, pimenta no Sarkozy dos outros é refresco mano.
Share:

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A Virada Cultural e o desfile das ex minorias


Quem diz que gay é minoria é porque não sabe contar ou é dislexo. Na Virada Cultural no Eldorado estava bombando de mulheres lésbicas de mãos dadas assumindo sua sexualidade. Parecia metrô de São Paulo lotado de emos se beijando nas escadas. O problema é como lidar com assédio de sapa pra cima da tua namorada. As lésbicas não têm mais o estereotipo mulher macho, feias e mal vestidas. A maioria são gatas, femininas que você apresentaria pra sua mãe como namorada na boa e isso deixa os homens perplexos, quando notam que a garota está olhando é pra mulher dele, e não pra ele. Essa nova realidade ainda precisa ser digerida pela macharada.
Share:

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O que querem as mulheres?


Novos estudos revelam um abismo entre o que as mulheres sentem e o que dizem sentir. Ida Bauer aparece nos textos de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, sob o nome fictício de Dora. É uma moça bonita, de 15 anos, perturbada por tosses nervosas e incapacidade ocasional de falar. Chegou ao divã do médico vienense queixando-se de duas coisas: assédio sexual de um amigo da família e indisposição do pai em protegê-la. Freud aceitou os fatos, mas desenvolveu uma interpretação própria sobre eles. O nervosismo e as doenças se explicavam porque a moça se sentia sexualmente atraída pelo molestador, mas reprimia a sensação prazerosa e a transformava, histericamente, em incômodo físico. Como Ida se recusou a aceitar essa versão sobre seus sentimentos, largou o tratamento. Peter Kramer, biógrafo de Freud, diz que os sintomas só diminuíram quando ela enfrentou o pai e o molestador, tempos depois. Freud estava errado; ela, certa. Anos mais tarde, refletindo sobre a experiência, Freud escreveu uma passagem famosa: “A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não fui capaz de responder, apesar de 30 anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: o que querem as mulheres?”.
A Dilma quer ser presidente, Hilary Clinton vive pedindo sanções contra o Irã sem avisar a Dalila, a Dalila só quer destruir o Sansão, a minha amiga só que pegar a colega de trabalho dela e a minha mulher só quer mandar em mim.
Esse tal de Freud é leso.
Share:

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O Tiririca passou no ENEM


O presidente do TRE-SP, Walter de Almeida Guilherme, afirmou nesta quinta-feira, 11, que o deputado federal eleito, Francisco Everardo Oliveira Silva, o palhaço Tiririca (PR) – o mais votado por São Paulo, com um total de 1,353 milhão de votos -, será diplomado independente da decisão do processo para comprovar se ele é ou não é alfabetizado. Guilherme afirmou ainda que o palhaço conseguiu ler e escrever o que foi pedido no teste. Indagado se o deputado sabe realmente ler e escrever, o desembargador disse que seria leviano de sua parte se antecipar sobre o assunto. “É o juiz quem vai responder sobre isso.”
O Tiririca disse antes que topava fazer uma prova, desde que fosse corrigida pelo Lula. Ele a essa altura deve estar morrendo de rir junto aos humoristas Shaolin e Tom Cavalcante.
Mais uma vez o preconceito de uma sociedade contra pobre e nordestino foi derrotada no estado em que José Serra ganhou apertado a eleição pra governador e Geraldo Alckmin se elegeu no primeiro turno.
Ai me aparece um procurador laranja pau mandado que resolveu questionar a legitimidade da eleição do Tiririca enquanto ele próprio, o procurador, é suspeito de plagiar um trabalho acadêmico.
O preconceito contra o ENEM e contra o Tiririca é preconceito contra pobre, típico da elite branca paulista que se acha. Foda é ver amazonense repetindo essas idiotices.
Se analfabeto pode votar também pode ser votado. O Tiririca provou que não é analfabeto. E viva o Brasil!!
Share:

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

São Jorge da Capadócia e a cidade do câncer


A Capadócia fica numa região no centro da Turquia, é tida como uma verdadeira maravilha geológica, conhecida por suas paisagens fantásticas, com rochas porosas talhadas pelo tempo e ruínas históricas que atraem dois milhões de turistas por ano. A Capadócia é a terra natal do Glorioso São Jorge, santo de devoção dos filhos de Ogum ou das pessoas que tem juízo. As pessoas da região apresentam um índice elevado de um tipo raro de câncer chamado de mesotelioma, uma forma violenta de câncer causada por exposição a amianto, também conhecido como asbesto, uma fibra natural que pertence ao grupo dos silicatos cristalinos hidratados. Porem, pesquisas demonstraram que a causa era um mineral raro, chamado erionita, que tem propriedades similares a do amianto e é muito presente nas rochas nos arredores de Tuzkoy que foram depositadas por vulcões a milhares de anos atrás. Cinqüenta por cento da população tem câncer e eles não querem sair de lá, alegando que é mentira dos pesquisadores. É uma região mulçumana e eles não conhecem o Glorioso São Jorge da Capadócia, nenhum morador local sabe da existência dele. Coitados, sem médicos e sem São Jorge, fodeu...
Share:

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O Facebook e a Teoria do Parêntese de Gutemberg


Thomas Pettitt tem provocado polemicas no meio acadêmico afirmando que a humanidade está voltando à cultura de transmissão oral da informação e do conhecimento, tornando a época da imprensa escrita de Gutemberg apenas um parêntese na história. Ele construiu a Teoria do Parêntese de Gutemberg para analisar uma época entre a invenção de imprensa por Gutemberg até os dias atuais com a invenção das mídias eletrônicas e das redes sociais. Segundo ele a era digital derruba as barreiras entre imprensa tradicional e novas mídias. A sobrevivência dos meios de comunicação tradicionais vai depender única e exclusivamente da sua credibilidade. Se essa teoria estiver correta, o PIG (Partido da Imprensa Golpista) formado pela Rede Globo dos Marinhos, pela Folha de São Paulo dos Frias, a desprezível revistinha Veja dos Civitas, todos estão com os dias contados, pois há muito tempo essas empresas venderam suas penas para o capital internacional privatizador que tem seus representantes no tucanato paulista. Tanto que em época de eleições eles criam uma cultura de escândalos para influenciar o eleitor na hora do voto. Tomara que o doutor Thomas Pettitt esteja certo e renasça uma nova imprensa baseada na credibilidade e na verdade dos fatos. Enquanto isso não ocorre, melhor criar uma lei de imprensa que dê direito de defesa aos cidadãos contra os abutres do PIG.
Share:

O PiG e o Serra odeiam o ENEM por causa dos pobres


Uma desmoralização arrasadora. Assim é a manchete do Estadão
É porque 0,04% dos alunos VOLUNTARIAMENTE inscritos na prova talvez venham a refazê-la, por causa de uma troca do cabeçalho de alguns cartões de resposta.
0,04% !
Que horror!
Foram 4,6 milhões estudantes inscritos e talvez 2 mil tenham a possibilidade de refazer a prova.
Ontem, o UOL e a Folhaonline bradaram o dia inteiro contra a “inépcia” do ENEM.
A Folha (**), se entende.
Ano passado, as provas vazaram da gráfica da Folha, que foi devidamente afastada da concorrência deste ano.
O Estadão se acha na obrigação, todo ano, de desmoralizar o ENEM.
Como fez no ano passado, com a divulgação do vazamento.
Por que o Estadão, a Folha (**) e o Serra são contra o ENEM ?
Ano passado, com o vazamento na gráfica da Folha, o Serra, célere, tirou as universidades de São Paulo do ENEM – para acentuar o “fracasso” do Governo Lula.
Qual é o problema deles com o ENEM ?
O Governo Fernando Henrique instituiu o ENEM para copiar o SAT americano: o vestibular único em todo o país, para facilitar o acesso às universidades federais e o deslocamento de estudantes pelo país afora.
O que tem a vantagem de baratear dramaticamente o sistema.
Antes – como em São Paulo, hoje – cada “coronel” faz o seu vestibular e estimula a iniciativa privada – com os serviços do vestibular e os cursinhos o Di Gênio.
De Fernando Henrique para cá, o ENEM cresceu 30 vezes !
30 vezes, amigo navegante.
Saiu de 157 mil inscritos em 98 para 4,6 milhões de hoje.
É sempre assim.
O Bolsa Família da D. Ruth atendia quatro famílias.
O do Lula, que virou “Bolsa Esmola”, segundo Mônica Serra, a grande estadista chileno-paulista, atende 40 milhões.
O que é o ENEM ?
É o passaporte do pobre à universidade pública.
É por isso que a Folha, o Estado e o Serra odeiam o ENNEM.
Porque esse negócio de pobre estudar é um problema.
Fica com mania de grandeza, de autonomia.
Pensa que pode mandar no seu destino.
E não acredita mais na fita adesiva do “perito” Molina.
Isso é um perigo.
Pobre é para ficar na senzala.
50 universidades públicas federais aderiram ao ENEM.
Isso significa que 47 mil vagas em universidades federais dependem do resultado do ENEM.
Em 2004, um milhão de estudantes se inscreveu no ENEM.
Aí, o Lula e o Ministro Haddad resolveram estabelecer o ENEM como critério para entrar no ProUni (para a elite branca – e separatista, no caso de São Paulo – não dizer que o ProUni é a “faculdade de pobre burro”).
Sabe o que aconteceu, amigo navegante ?
O ENEM passou de um ano para o outro de um milhão para 2,9 milhões de inscritos.
Quanto pobre !
Para o ano que vem, o ministro Haddad estabeleceu que o ENEM também será critério para receber financiamento do FIES.
Vai ser outro horror !
Mais pobre inscrito no ENEM para pagar a faculdade com financiamento público.
Um horror !
Tudo público.
ENEM, faculdade, financiamento …
“Público” quer dizer “de todos”.
Amigo navegante, sabe qual foi o contingente nacional que mais cresceu entre os inscritos no ENEM ?
Agora é que a elite branca – e separatista, no caso de São Paulo – vai se estrebuchar.
Foi o Nordeste !
Que horror !
Já imaginou, amigo navegante ?
Nordestino pobre com diploma de engenheiro ?
Nordestina pobre com diploma de médica ?
Vai faltar pedreiro.
Empregada doméstica.
Aí é que a elite branca – e separatista, no caso de São Paulo – vai se estrebuchar mesmo.

De Paulo Henrique Amorim
Share:

O papa não viu as bibas beijando


As bibas espanholas fizeram um “beijaço” durante a passagem do papa Bento XVI por Barcelona, cidade que é rota obrigatória das bibas internacionais. Com essa mania conservadora de querer casar depois do casamento ter sido abolido pela sociedade moderna, as bibas andam fazendo manifestações cada vez mais esquisitas. O papa é um babaca ultraconservador que até nazista foi na adolescência, um cara que tentou interferir na eleição brasileira pedindo aos bispos que condenassem candidatos que discutissem a descriminalização do aborto. As bibas não se tocaram que o papa além de ser retrogrado ele está quase cego. Ele jamais veria um “beijaço”, mesmo porque se visse ele teria sericutico.
Share:

domingo, 7 de novembro de 2010

Os paulistas do bem e a onda de racismo


Tenho muitos amigos paulistas do bem que votaram no Serra que é do mal, na Marina ou na Dilma. Depois das eleições em que a Dilma foi eleita, cresceu uma onda de racismo e preconceito contra os estados do nordeste e do norte, causado pela campanha de ultra direita que o Zé Baixaria vulgo Jose Serra, dentro do seu estilo de fazer política, que reacendeu discurso reacionário e ultrapassado, despertando ódios religiosos, étnicos e regionais em um país que é marcado pela multiplicidade étnica. Na internet é comum ver comentários de criaturas ignorantes e boçais acusando nordestinos pela derrota do Serra, chamando-os de ignorantes, famintos e raça inferior, num estilo nazi fascista, covardemente se aproveitando do anonimato da internet. Meus grandes amigos paulistas deveriam se manifestar, pois está havendo uma reação a isso, espalhando a convicção que paulista é tudo babaca preconceituoso, que se acha superior ao resto do Brasil. Quem conhece São Paulo sabe que é um estado plural, que tem gente de todo canto. Sampa é uma salada étnica e foi construída por mãos nordestinas. Quem usa desse discurso covarde e ignorante é uma minoria que deve ser duramente contida pelos próprios paulistas para que não estraguem a reputação dos brous de Sampa. Foda é ver amazonense repetindo essas afirmações cretinas e criminosas sem saber que isso dá cadeia, isso é considerado um dos piores crimes. Se uma criatura dessas cai numa prisão, vai ser enrabado pelos nordestinos que estão presos até o tôba fazer bico. Por isso, cuidado você que se acha impune na sua covardia, pense antes de repetir frases que você sequer entende o conteúdo filha da puta por trás delas.
Share:

sábado, 6 de novembro de 2010

Os cães ainda ladram (sem querer sacanear os cães)


Sei que nem todo eleitor do Serra é cidadão de segunda categoria, que tem gente honrada que votou no Serra, ou por gostar da filosofia neoliberal dos tucanos ou por acreditar no trololó dele, mas a onda de baixo nível que invade a internet com eleitores ressentidos pela eleição da Dilma faz jus a campanha baixa, caluniosa e difamatória feita pelo Zé Baixaria vulgo Jose Serra em todo o processo eleitoral. Os cães descontentes liderados por gente de quinta criam agora um discurso de apartheid no Brasil, mentido descaradamente dizendo que quem votou na Dilma foram pessoas pobres de baixa informação. A Dilma só perdeu em São Paulo e Santa Catarina e por pouco. Ela ganhou em todos os extratos sociais. Entre as mulheres, entre a classe média e até nas classes mais altas. Do Rio Grande do Sul ao Amazonas. Acusar a classe trabalhadora e mais pobre de gentinha sem informação que vira massa de manobra é discurso de preconceituoso sem escrúpulos que acredita que o voto dele é melhor do que o de outro cidadão. Isso é típico da classe media paulista que só olha pra si. Foda é ver amazonense otário repetindo esses lamentos de perdedores ressentidos . Essa cambada tem que perceber que o Brasil rejeitou a volta do atraso dos tucanos paulistas por duas vezes e enquanto eles não descobrirem o Brasil, vão levar pau de novo e de novo. Viva o Brasil!
Share:

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

O Deprê é o Chinelo


O Deprê é um beagle que foi trazido por amigas que o encontraram vagando pelas ruas feito cão sem dono. Ele chegou cheio de problemas de saúde. Malassezia, sarna, carrapato, vermes e muito deprimido pelo abandono. A impressão que dava era que ele foi muito bem criado e amado e de repente foi abandonado ou arrancado do convívio dos donos de alguma maneira. O fato é que eu sou bom com bichos e o ajudei a se recuperar. Hoje ele é um cão saudável, confiante, confiado, marrento, late pra quem passa na rua e ele não curte e quer pegar todas as minas que vem aqui em casa, inclusive a minha. Ele acha que é o macho alfa. Vou ter que arrumar uma cadelinha pra ele, nem que seja uma vira latinha mesmo. Foda que de tanto que escrevo sobre ele, um amigo leu uma crônica minha em que falei do Deprê e reconheceu o cão roubado do seu filho e que se chama Chinelo. Ele vem domingo fazer o reconhecimento ao vivo, para constatar se é o mesmo cão. Se for eu devolvo e vou ficar arrasado. O mais foda é que quando chamo de Chinelo ele roda, roda e corre, como se reconhecendo finalmente. Deprê é um nome muito estranho realmente, porem ele era realmente depressivo quando chegou. Tomara que o Deprê não seja o Chinelo.
Share:

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Os perigos da soberba


Por Mauro Santayana

Se o homem é a sua circunstância, a circunstância de José Serra é São Paulo. É conhecido o orgulho do grande estado, com desenvolvimento econômico que supera o de numerosos países europeus, sua cultura cosmopolita, e a oportunidade de realização pessoal de muitos dos que procuram ali a sua sorte. Todas essas qualidades do povo de São Paulo distanciam o estado do resto do país. Talvez por isso mesmo, as suas elites, ressalvadas as exceções, não saibam exatamente o que é o Brasil. Para isso, teriam que aceitá-lo. Da Avenida Paulista se vê melhor a City e a Place de la Bourse; seus telefones chamam mais Hong Kong e Shangai do que Aracaju e São Gabriel da Cachoeira. É provável que não seja exatamente assim, mas muitos paulistas dão ao resto do Brasil a impressão de que se sentem incomodados com a companhia dos demais estados.
Ainda agora estamos assistindo a uma dolorosa e inusitada campanha racista na internet, a partir de São Paulo, contra os nordestinos, a propósito da grande vitória de Dilma na região, embora os resultados eleitorais demonstrem que ela teria sido vitoriosa, mesmo que as eleições só ocorressem fora do Nordeste. A campanha ressuscita os fantasmas de 32, ao pregar, criminosamente, o separatismo. Esqueçamos, a fim de não turbar o raciocínio, a verdade de que São Paulo não se fez só: a inteligência, o trabalho e mesmo o capital dos demais brasileiros e dos imigrantes europeus ajudaram a erguer a sua economia.
Como a circunstância de José Serra é a que apontamos, temos a explicação para o desastrado pronunciamento que fez, diante da derrota. Faltou-lhe, naquele momento, a elegância que se espera dos grandes homens. Ele desdenhou o esforço feito – e reconhecido em todo o país – por Aécio, simplesmente ignorando-o. Agora, os mineiros se sentem outra vez afrontados.
Como Jânio, Serra falou em “forças terríveis”, anunciou, com suas metáforas, que continua candidato, falou em trincheiras, afirmou que o povo “não quis que fosse agora” e despediu-se com um “até breve”.
Alguns estão atribuindo a Aécio a derrota de Serra, embora o ex-governador de Minas tenha constrangido grande parte dos mineiros, ao solicitar votos a favor de quem os desdenhara, ao recusar a disputa democrática com Aécio junto às bases do PSDB. Aécio pode ter perdoado a Serra a aleivosia, mas os mineiros, não. E não se esqueça que Dilma nasceu em Belo Horizonte.
Espera-se que, passados os dias mais amargos do malogro eleitoral, José Serra recobrará a serenidade e entenderá que a sua biografia pode encerrar-se, sem nenhum desdouro, mesmo que não chegue à Presidência. Ele prestou assinalados serviços ao país, como líder estudantil, parlamentar e ministro da Saúde, e particularmente a São Paulo, como prefeito e governador, não obstante sua cumplicidade nas privatizações e na abertura do mercado financeiro. Para que volte a candidatar-se, é preciso que se dedique a conhecer realmente o Brasil. Conhecer não é visitar uma cidade ou outra, por algumas horas. É aceitar sua humanidade, ler os seus escritores, assimilar a fantástica sabedoria do povo, enfim, participar de seus sonhos, solidarizar-se e comover-se com seus sofrimentos – enfim, integrar-se em sua realidade.
Terminada a campanha, à vencedora cabe tomar a iniciativa de cicatrizar divergências sem a necessidade de compor interesses rasteiros por baixo de uma retórica elevada.
Se São Paulo se orgulha em destacar-se do Brasil pela sua pujança econômica, Minas integra o todo brasileiro com alegria e sem qualquer constrangimento. Minas é o centro-oeste na margem esquerda do São Francisco; é o Nordeste nas duas margens do Jequitinhonha e na fronteira setentrional com a Bahia; é quase atlântica na Zona da Mata e no baixo Rio Doce. O conflito é entre a parcela mais soberba das elites paulistas e o resto do país.
Share:

terça-feira, 2 de novembro de 2010

COMO É DIA DE FINADOS VAMOS FALAR DO SERRA.


Os tucanos paulistas estão culpando o Papa Bento XVI pela derrota do Serra. Dizem que ele e o Mick Jagger dão azar, são pé frio. Estão culpando tambem o Aecio Neves pela falta de empenho. Porem estão realmente putos é com os playboys e pats amazonenses que não se esforçaram devidamente na campanha. Estão prometendo proibir a entrada dos tucanos barés no aeroporto de Guarulhos. Estão chamando de cabeça chatas e nordestinos incompetentes. Afinal os tucanos agora mudaram o mapa do Brasil. De Minas Gerais e do Rio de Janeiro pra cima é nordeste. Dizem que esse povinho nordestino morto de fome que elegeu a Dilma. Por isso muito cuidado os barezinhos eleitores da corja paulista, evitem ir a São Paulo, eles querem matar nordestinos. E não adianta falar que aqui é norte. Cuidado corja.
Share:

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

DESCOBRI PORQUE O DEPRÊ É DILMA


O Deprê é só um cão porem ele não se toca pra isso. Tem todas as síndromes humanas. Ele é maníaco depressivo por natureza beagle inglesa dele. Ele está comigo a três meses trazido por amigas que o encontraram abandonado pelas ruas. Chegou em minha casa adulto e cheio de doenças, mas está saradaço agora. Não sei à quanto tempo ele não transa. Deve está na maior secura, pois toda mulher que entra em casa ele bota pra cima, cheio de charme e cerca lourenço. Quando vê o Serra na TV late, quando vê a Dilma levanta as patinhas dianteiras e rodopia, parecendo cão de circo cretino. Acho que ele gosta é de mulher e quer ver uma mulher presidente do Brasil. Pena que ele não saiba que tem mulher é que é tudo vaca, que grande parte delas não vota na Dilma por ter preconceito de gênero e de classe. Ohhh raça traíra é mulher que não vota em mulher. Um dia o Deprê vai perceber que nem toda mulher presta.
Share:

O DEPRÊ VAI VOTAR PELA PRIMEIRA VEZ


Toda vez que o Deprê vê o Zé Baixaria vulgo José Serra aparecer na TV, ele late, roda e late e late. Eu explico que o Zé Baixaria é o bicho papão sim, mas na TV ele não pode fazer mal algum a ele. Não adianta, ele começa a rosnar para o Serra até eu mudar de canal, logo na parte em que ele condena o aborto, esquecendo que a Monica Serra, a mulher dele, já fez vários. Quando eu mudo de canal pra acalmar meu dog, piora, ele começa a rosnar pra mim e eu sou obrigado a voltar pra ver o Serra. Eu ia curtir esse feriadão em Presidente Figueiredo, me misturar à patuléia na Cachoeira do Urubui, e ia levar o Deprê pra nadar. Mas lembro que domingo é dia de Dilma e o Deprê também quer votar. Comprei uma camiseta da Dilma, cortei e vou vestir no Deprê pra fazer boca de urna domingo quando eu for votar. Sei que isso é ilegal para humanos, mas ele é só um cão, coitado.
Share:

O DEPRÊ MIJOU NA TV


Deprê é só um cão mas ele não se toca pra isso. Tem todas as síndromes humanas. Ele é maniaco depressivo por natureza beagle inglesa dele. Mas as vezes acho que é tipo que ele faz. Não sei se é pra me agradar, mas toda vez que ele vê na TV o Zé Baixaria vulgo José Serra, ele late e rosna. Eu tento acalmar dizendo que é só a TV, que não pode fazer mal algum, embora esteja tentando ser presidente do Brasil, país que ele e a turma tucana afundaram por três vezes quando foram governantes. Não adianta, ele fica enfurecido com a cara patética do Serra. Mas dessa vez ele passou dos limites, fui pegar uma cerveja na geladeira, quando volto pra sala o babaca do Deprê estava mijando na televisão. Dei uma sapecada nele, pois se o Serra fez o que fez por conta de uma bolinha de papel pra ver ser colava mais voto, imagine o que fará se souber que um cão eleitor da Dilma estava mijando nele, mesmo que pela TV. Esse Deprê precisa urgentemente de um psiquiatra. Já basta um doido aqui.
Share:

A Folha de São Paulo vai lançar matéria suja sobre a Dilma torturada na ditadura


Sader pergunta à Folha (*):
“Onde você estava em 1964?”


Há momentos na história de cada país que são definidores de quem é quem, da natureza de cada partido, de cada força social, de cada indivíduo. Há governos em relação aos quais se pode divergir pela esquerda ou pela direita, conforme o ponto de vista de cada um. Acontecia isso com governos como os do Getúlio, do JK, do Jango, criticado tanto pela direita – com enfoques liberais ou diretamente fascistas – e pela esquerda – por setores marxistas.
Mas há governos que, pela clareza de sua ação, não permitem essas nuances, que definem os rumos da história futura de um país. Foi assim com o nazismo na Alemanha, com o fascismo na Itália, com o franquismo na Espanha, com o salazarismo em Portugal, com a ocupação e o governo de Vichy na França, entre outros exemplos.
No caso do Brasil e de outros países latinoamericanos, esse momento foi o golpe militar e a instauração da ditadura militar em 1964. Diante da mobilização golpista dos anos prévios a 1964, da instauração da ditadura e da colocação em prática das suas políticas, não havia ambigüidade possível, nem a favor, nem contra. Tanto assim que praticamente todas as entidades empresariais, todos os partidos da direita, praticamente todos os órgãos da mídia – com exceção da Última Hora – pregavam o golpe, participando e promovendo o clima de desestabilização que levou à intervenção brutal das FAA, que rompeu com a democracia – em nome da defesa da democracia, como sempre -, apoiaram a instauração do regime de terror no Brasil.
Como se pode rever pelas reproduções das primeiras páginas dos jornais que circulam pela internet, todos – FSP, Estadão, O Globo, entre os que existiam naquela época e sobrevivem – se somaram à onda ditatorial, fizeram campanha com a Tradição, Família e Propriedade, com o Ibad, com a Embaixada dos EUA, com os setores mais direitistas do país. Apoiaram o golpe e as medidas repressivas brutais e aquelas que caracterizariam, no plano econômico e social à ditadura: intervenção em todos os sindicatos, arrocho salarial, prisão e condenação das lidreanças populares.
Instauraram a lua-de-mel que o grande empresariado nacional e estrangeiro queria: expansão da acumulação de capital centrada no consumo de luxo e na exportação, com arrocho salarial, propiciando os maiores lucros que tiveram os capitalistas no Brasil. A economia e a sociedade brasileira ganharam um rumo nitidamente conservador, elitistas, de exclusão social, de criminalização dos conflitos e das reivindicações democráticas, no marco da Doutrina de Segurança Nacional.
As famílias Frias, Mesquita, Marinho, entre outras, participaram ativamente, no momento mais determinante da história brasileira, do lado da ditadura e não na defesa da democracia. Acobertaram a repressão, seja publicando as versões mentirosas da ditadura sobre a prisão, a tortura, o assassinato dos opositores, como também – no caso da FSP -, emprestando carros da empresa para acobertar ações criminais os órgãos repressivos da ditadura. (O livro de Beatriz Kushnir, “Os cães de guarda”, da Editora Boitempo, relata com detalhes esse episódio e outros do papel da mídia em conivência e apoio à ditadura militar.)
No momento mais importante da história brasileira, a mídia monopolista esteve do lado da ditadura, contra a democracia. Querem agora usar processos feitos pela ditadura militar como se provassem algo contra os que lutaram contra ela e foram presos e torturados. É como se se usassem dados do nazismo sobre judeus, comunistas e ciganos vitimas dos campos de concentração. É como se se usassem dados do fascismo italiano a respeito dos membros da resistência italiana. É como se se usassem dados do fraquismo sobre o comportamento dos republicanos, como Garcia Lorca, presos e seviciados pelo regime. É como se se usasse os processos do governo de Vichy como testemunha contra os resistentes franceses.
Aqueles que participaram do golpe e da ditadura foram agraciados com a anistia feita pela ditadura, para limpar suas responsabilidades. Assim não houve processo contra o empréstimo de viaturas pela FSP à Operação Bandeirantes. O silêncio da família Frias diante da acusações públicas, apoiadas em provas irrefutáveis, é uma confissão de culpa.
Estamos próximos de termos uma presidente mulher, que participou da resistência à ditadura e que foi torturada pelos agentes do regime de terror instaurado no país, com o apoio da mídia monopolista. Parece-lhes insuportável moralmente e de fato o é. A figura de Dilma é para eles uma acusação permanente, pela dignidade que ela representa, pela sua trajetória, pelos valores que ela representa.
Onde estava cada um em 1964? Essa a questão chave para definir quem é quem na democracia brasileira.
Share:
Tecnologia do Blogger.

OCUPE REDE GLOBO

Loading...

Pesquisar este blog

Veja meu site profissional

Veja meu site profissional
Jorge Laborda é um cara metido a designer, escritor e a ser humano.

Blogs que vale conferir

Arquivo do blog

Definition List

Contact

Support